As mulheres e o discernimento

Mais Lidos

  • Como o Papa Francisco está tentando “feminilizar” a Igreja

    LER MAIS
  • “Os maus-tratos aos animais é uma expressão do mal e da nossa incapacidade de aceitar os outros”. Entrevista com Corine Pelluchon

    LER MAIS
  • Israel-Palestina. Um soldado se sacrifica e um primeiro-ministro renuncia: o genocídio em Gaza provoca ações desesperadas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

05 Setembro 2017

"Mas se dermos ao discernimento um significado mais íntimo, se o consideramos como uma modalidade mais consciente e atenta do viver a vida cristã, então as mulheres sempre o exerceram integralmente. Se, como escreve Bianchi, o discernimento é um dom do Espírito a todas as criaturas e para acolhê-lo é suficiente "exercitar-se a ver, escutar e pensar", como seria possível excluir as mulheres?", escreve Lucetta Scaraffia, historiadora italiana, membro do Comitê Italiano de Bioética e professora da Universidade de Roma "La Sapienza", em artigo publicado por L'Osservatore Romano, 01-09-2017. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis o artigo. 

O discernimento é um conceito amplamente utilizado na tradição cristã desde os tempos mais antigos. Refere-se à reflexão interior que cada ser humano é chamado a fazer, a fim de entender qual seria a vontade de Deus nos importantes momentos de escolha de sua vida. Isso significa fazer as escolhas junto com Deus.

Como escreve Enzo Bianchi em seu livro "o discernimento é um dom do Espírito de Deus que se une com o nosso espírito, e como tal deve ser desejado e invocado pelo cristão", um dom que devemos acolher e desenvolver usando todas as nossas capacidades humanas. Esse processo exige uma condição subjacente, a liberdade de consciência, que é - explica Nathalie Sartou-Lajus - a possibilidade que aconteça "o retorno inquieto de consciência sobre si mesma", uma consciência capaz de julgar as próprias ações e suportar o fardo de remorso pelo dano feito.

Perguntamo-nos se as mulheres, ao longo da história, tenham tido a oportunidade de exercer o discernimento, isto é, se foram livres para operar uma escolha de acordo com a própria consciência. A história de Mary Ward, no século XVII, que queria aplicar a prática inaciana do discernimento em uma ordem religiosa feminina, permite compreender como isso foi difícil. Para as mulheres, a vida sempre parecia já ter sido traçada por outros, e as escolhas, em grande parte, "obrigadas" pelas decisões dos homens aos quais estavam sujeitas.

Mas se dermos ao discernimento um significado mais íntimo, se o consideramos como uma modalidade mais consciente e atenta do viver a vida cristã, então as mulheres sempre o exerceram integralmente. Se, como escreve Bianchi, o discernimento é um dom do Espírito a todas as criaturas e para acolhê-lo é suficiente "exercitar-se a ver, escutar e pensar", como seria possível excluir as mulheres?

Reconhecer a elas essa capacidade significa abrir-se à descoberta da espiritualidade feminina, que é uma prática de discernimento mais ligada à escuta das vicissitudes da vida, das pequenas coisas. Significa abrir espaço para uma maneira de praticar o discernimento diferente, mas igualmente rica, daquela masculina. Significa sair da autorreferencialidade que tantas vezes o Papa Francisco recrimina na linguagem eclesiástica para descobrir outras fontes de inteligência espiritual.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

As mulheres e o discernimento - Instituto Humanitas Unisinos - IHU