Em um futuro conclave, a Europa já não terá maioria

Mais Lidos

  • Como o Papa Francisco está tentando “feminilizar” a Igreja

    LER MAIS
  • “Os maus-tratos aos animais é uma expressão do mal e da nossa incapacidade de aceitar os outros”. Entrevista com Corine Pelluchon

    LER MAIS
  • Israel-Palestina. Um soldado se sacrifica e um primeiro-ministro renuncia: o genocídio em Gaza provoca ações desesperadas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

23 Novembro 2016

Em um hipotético conclave para eleger o sucessor de Francisco, a Europa já não terá maioria. Após o consistório de sábado passado, o balanço no Colégio Cardinalício fica em 54 cardeais europeus (45%) e 67 do resto do mundo (55%), de um total de 121 membros.

A reportagem é de Cameron Doody e publicada por Religión Digital, 22-11-2016. A tradução é de André Langer.

Em apenas três anos de pontificado, Francisco conseguiu mudar substancialmente o seu colégio consultivo, nomeando prelados das periferias, com os quais conseguiu tirar o Velho Continente do centro de gravidade da Igreja.

Dos 13 novos cardeais eleitores que nomeou no sábado passado, apenas três são europeus. Três são latino-americanos (do Brasil, México e Venezuela), três estadunidenses, dois da África subsaariana (República Centro-Africana e Ilhas Maurício) e dois da região da Ásia-Pacífico (Bangladesh e Papua Nova Guiné).

Em 2013, 52% dos membros do conclave que elegeu Jorge Mario Bergoglio eram europeus (61 cardeais, de um total de 117). Nos três consistórios que Francisco teve desde então, não obstante, nomeou apenas 14 cardeais europeus com direito a voto, de um total de 44 novos cardeais.

Desta forma, o pontífice conseguiu espelhar melhor no conselho mais alto da Igreja não apenas sua própria visão teológica e eclesial – realidade inevitável sob qualquer pontífice –, mas também a atual distribuição de católicos no mundo.

Mesmo com as nomeações de Francisco, a Europa continua sendo o continente mais representado no Colégio Cardinalício, com 45% dos seus integrantes (54 membros no total), mas com apenas, em seus templos, 24% da população católica mundial.

Ao contrário, a América Latina é o continente mais subrepresentado, com 39% dos fiéis do mundo, mas com apenas 17% dos cardeais com idade de votar (21 cardeais no total).

Quarenta e quatro dos 121 cardeais com direito a voto, hoje, foram nomeados por Francisco, 56 por Bento XVI e 21 por São João Paulo II. Este balanço, não obstante, mudará dentro de apenas cinco anos, período em que 32 cardeais completarão a idade da aposentadoria. Destes 32 que não poderão fazer parte de qualquer conclave que for realizado a partir de 2021, 25 foram nomeados por Bento XVI ou por João Paulo II. Ao substituí-los, portanto, o Papa Francisco terá a oportunidade de moldar a Igreja ainda mais fiel à sua imagem e semelhança.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Em um futuro conclave, a Europa já não terá maioria - Instituto Humanitas Unisinos - IHU