Evangélicos e católicos pedem destituição de procurador por apoiar movimento gay

Mais Lidos

  • Influenciadores ou evangelizadores digitais católicos? Artigo de Dom Joaquim Mol

    LER MAIS
  • Para onde estamos indo? Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS
  • Os equilíbrios de Lula no Brasil pós-Bolsonaro. Artigo de Bernardo Gutiérrez

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

31 Mai 2012

Um setor do evangelismo, liderado pelo pastor Domingo Medina, marchou pelas ruas de Manágua, capital da Nicarágua, na quinta-feira, 24, parando em frente à Assembléia Nacional para pedir a desoneração do procurador dos Direitos Humanos, Omar Cabezas, por apoiar o movimento gay do país.

A reportagem é de Trinidad Vásquez e publicada pela Agência Latino-Americana e Caribenha de Comunicação (ALC), 30-05-2012.

O pastor pediu o apoio da igreja Católica e das demais denominações cristãs no sentido de unirem esforços contra as pretensões dos movimentos pela diversidade sexual que, com “chantagens e pressões”, exigem que seus direitos sejam incluídos no novo Código da Família, disse.

“Nicarágua não são os Estados Unidos, não é a Europa, não é Sodoma e Gomorra”, diz carta da Comunidade Evangélica que foi entregue ao deputado Edwin Castro, líder da bancada sandinista.

O presidente da Conferência Episcopal da Nicarágua, monsenhor René Sándigo, declarou que Cabezas deve ser destituído se mantiver a solicitação, encaminhada aos deputados, de conceder a casais de homossexuais a possibilidade adotarem crianças como filhos no projeto do Código de Família, em discussão no Legislativo.

O bispo declarou à imprensa que o homem e mulher cada qual tem a sua própria identidade e natureza e nunca vão ocupar o papel um do outro.

Já o pastor Jairo Arce, da Igreja Menonita, recomentou que o Legislativo dê passos rumo a uma moral mais centrada na pessoa. “Não condenemos, a priori, os demais, e pratiquemos o amor como sinal de libertação, respeito e tolerância para com os demais”, sugeriu.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Evangélicos e católicos pedem destituição de procurador por apoiar movimento gay - Instituto Humanitas Unisinos - IHU