Usar um crucifixo é apenas decoração, afirma primaz da Igreja Anglicana

Mais Lidos

  • “Com Francisco cumpre-se a profecia de Arrupe”. Entrevista com Pedro Miguel Lamet

    LER MAIS
  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • Wim Wenders, Dias Perfeitos – 2023. Artigo de Faustino Teixeira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

13 Março 2012

Usar uma cruz é apenas uma "decoração religiosa" para muitas pessoas e não parte essencial do cristianismo, afirmou o arcebispo de Canterbury.

A reportagem é de John Bingham, publicada no sítio do jornal The Telegraph, 12-03-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Dom Rowan Williams disse que o fato havia se tornado algo "que as pessoas religiosas inventam e se aferram" como substituto para a fé verdadeira.

Ele fez seus comentários no dia em que veio à tona que o governo britânico está debatendo no Tribunal Europeu que os cristãos não têm o "direito" de usar uma cruz como manifestação visível da fé.

Seus comentários irritaram ativistas cristãos, que acusaram o arcebispo de não se pronunciar pelo direito dos fiéis de usar cruzes.

Os juízes de Estrasburgo estão prestes a avaliar nos próximos meses um caso-teste sobre a liberdade religiosa na Grã-Bretanha.

O caso vai reunir quatro casos diferentes, incluindo o de Nadia Eweida, uma empregada da British Airways que enfrentou uma ação disciplinar por usar uma cruz no trabalho.

Os documentos elaborados pelo Ministério das Relações Exteriores argumentam que usar uma cruz não é protegido pela Convenção Europeia dos Direitos Humanos, porque isso não é visto como um componente essencial do cristianismo.

Em uma celebração religiosa em Roma, onde se encontrou com o papa no último fim de semana, Dom Williams disse que a cruz havia sido despojada do seu significado como parte de uma tendência de "fabricar" religião.

Usando como exemplo o relato de Jesus expulsando os cambistas do templo de Jerusalém, ele disse que o templo havia se tornado uma "fábrica de religião" e não um local de culto.

"Eu acredito que, durante a Quaresma, uma das coisas que todos nós temos que enfrentar é olhar para nós mesmos e perguntar até que ponto estamos envolvidos na fábrica de religião", disse.

"E a própria cruz se tornou uma decoração religiosa", continuou.

Andrea Williams, diretora do Christian Legal Centre, que está apoiando parte da ação junto ao Tribunal Europeu, disse que as observações foram "pouco úteis".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Usar um crucifixo é apenas decoração, afirma primaz da Igreja Anglicana - Instituto Humanitas Unisinos - IHU