“Olhem para os leigos com confiança”, diz o Papa aos bispos holandeses

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS
  • A fé que ressurge do secularismo e do vírus. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Por: Caroline | 04 Dezembro 2013

Nesta manhã, o Papa Francisco recebeu, em uma visita “ad limina”, os bispos dos Países Baixos numa audiência coletiva - devido aos trabalhos do Pontífice desta semana. Uma visita que se deu à sombra de uma forte polêmica que pesa sobre e Igreja holandesa. Milhares de leigos, unidos em associações, escreveram ao Papa (e há algum tempo, alguns estudantes católicos já o haviam escrito) para denunciar “uma Igreja que está à deriva” e para acusar os religiosos de pôr em ação “uma secularização selvagem”, denunciando os obstáculos sociais como a causa para não estarem presentes.

A reportagem é de Marco Tossatti, publicada por Vatican Insider, 02-12-2013. A tradução é do Cepat.

Fonte: http://goo.gl/2fOABn

Como se pode deduzir a partir das palavras do Pontífice, o texto dos leigos, que protestam também pelo fechamento de 1.300 paróquias e a cessão de milhares de Igrejas e de edifícios sagrados, deve ser lido com atenção. Papa Bergoglio reconheceu que os bispos trabalham “em circunstâncias recorrentemente árduas, nas quais não é fácil conservar a esperança frente a tais dificuldades que se deve enfrentar! O exercício colegial de seu ministério episcopal, em comunhão com o Bispo de Roma, é uma necessidade para fazer com que cresça a esperança, em um diálogo verdadeiro e em uma colaboração efetiva”.

Contudo, após este reconhecimento, o Pontífice fez sua uma das petições dos leigos que assinaram o documento, para que os religiosos abram um diálogo com os leigos para enfrentarem juntos os problemas e as dificuldades: “Fará muito bem para vocês verem, com confiança, os sinais de vitalidade que se manifestam nas comunidades cristãs de suas dioceses. São sinais da presença ativa do Senhor em meio a homens e mulheres de seu país, e que esperam autênticos testemunhos da esperança que nos faz viver, aquela que vem de Cristo”.

A sociedade dos Países Baixos, muito secularizada, experimenta fenômenos como o vazio espiritual, a angústia e o desânimo frente ao futuro e a falta de sentido da vida. O Papa Francisco encorajou os cristãos a contribuírem com sua fé, reafirmando a primazia do homem sobre a técnica e as demais realidades. “E esta primazia do homem pressupõe a abertura à transcendência. Ao contrário, ao suprimir a dimensão transcendental, uma cultura se empobrece”. A educação das consciências, neste sentido, é uma das principais prioridades. Como o Papa Francisco disse aos bispos: “animo-lhes vividamente a unirem seus esforços para responder a esta necessidade e permitir um melhor anúncio do Evangelho. Neste contexto, o testemunho e o empenho dos leigos na Igreja e na sociedade têm um papel importante e deve ser apoiado com força. Todos nós, os batizados, fomos chamados para sermos discípulos-missionários, onde estivermos!”.
 
E acrescentou, retomando outra queixa contida na carta-manifesto, envida de Utrecht (foto) a Roma: “Em sua sociedade, fortemente marcada pela secularização, animo-lhes também a estarem presentes no debate público, para tornar visível a misericórdia de Deus, sua ternura por cada criatura”. A Igreja, de fato, deve, “sobretudo, despertar, manter a esperança! Por isso é tão importante animar seus fiéis a acolherem as ocasiões de diálogo, tornando-as lugares em que se decide o futuro; assim poderão oferecer seu apoio nos debates sobre as grandes questões sociais relacionadas, por exemplo, com a família, o matrimônio e o fim da vida”.
 
Francisco dedicou uma última reflexão para a relação dos sacerdotes com o drama dos abusos sexuais. “Como padres, devem encontrar o tempo necessário para acolhê-los e escutá-los cada vez que os peçam. E não se esqueçam de ir ao encontro daqueles que não se aproximam (...). De uma maneira completamente particular, desejo expressar minha compaixão e assegurar minha oração a cada uma das pessoas vítimas de abusos sexuais, assim como às suas famílias. Peço-lhes que continuem apoiando-as em seu doloroso caminho de cura, empreendido corajosamente”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Olhem para os leigos com confiança”, diz o Papa aos bispos holandeses - Instituto Humanitas Unisinos - IHU