Igreja católica australiana vincula o celibato a abusos sexuais

Mais Lidos

  • Católicos cínicos e a negatividade em relação ao Papa Francisco. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Influenciadores ou evangelizadores digitais católicos? Artigo de Dom Joaquim Mol

    LER MAIS
  • Campanha da Fraternidade 2024: Fraternidade e Amizade Social. Artigo de José Geraldo de Sousa Junior e Ana Paula Daltoé Inglêz Barbalho

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Por: Jonas | 15 Dezembro 2014

A Igreja Católica na Austrália apresentou, pela primeira vez, os votos de celibato dos sacerdotes como um fator que pode ter contribuído para abusos sexuais de menores, segundo um documento publicado hoje.

A reportagem é de José Manuel Vidal, publicada por Religión Digital, 12-12-2014. A tradução é do Cepat.

“O celibato obrigatório pode ter contribuído para o abuso em algumas circunstâncias”, destaca o texto do Conselho de Justiça e Cura que coordena a posição da Igreja Católica junto à comissão governamental que analisa a resposta das instituições australianas aos abusos sexuais contra menores no seio das entidades estatais, sociais e religiosas.

O documento também admite que alguns líderes religiosos aparentemente esconderam estes abusos nas ordens e nas dioceses e tentaram proteger a reputação da Igreja Católica ao invés de velar pelo bem-estar dos menores, reporta a Agência Australiana de Imprensa.

Também recomenda reformar os procedimentos para abordar as queixas das vítimas proporcionando assistência no local do enfrentamento, assim como pede abertura diante dos eventuais julgamentos em casos como esses.

O diretor executivo deste Conselho, Francis Sullivan, considerou que esta admissão pode gerar polêmica entre os líderes religiosos, mas insistiu que seu organismo atuou com independência.

Em 2012, a Igreja Católica confirmou 620 casos de abusos sexuais contra menores cometidos na Austrália por sacerdotes, desde os anos 1930, em uma revelação inédita neste país.

Também em 2012, a Polícia de Nova Gales do Sul acusou a Igreja de acobertar estes crimes, procurar silenciar as investigações e destruir provas cruciais para evitar processos judiciais.

As autoridades criaram uma comissão de investigação sobre as respostas institucionais diante dos abusos contra menores cometidos em instituições sociais, religiosas e públicas.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Igreja católica australiana vincula o celibato a abusos sexuais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU