Dramático relatório do Unicef. Quase dois milhões de crianças na África não poderão voltar à escola

Mais Lidos

  • Vattimo, cristianismo, a verdade. Artigo de Flavio Lazzarin

    LER MAIS
  • “Devemos redescobrir Deus através do mistério”. Entrevista com Timothy Radcliffe

    LER MAIS
  • Os de cima vêm com tudo. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

28 Agosto 2019

Este ano, na África Central e Ocidental, quase dois milhões de crianças não poderão voltar à escola, juntando-se a um total regional de mais de 40 milhões de crianças privadas de direitos à educação. O alarme foi lançado na sexta-feira com a publicação do novo relatório da UNICEF, "Education Under Threat in West and Central Africa" ("Educação Ameaçada na África Ocidental e Central"), que denunciou o aumento de ataques violentos dirigidos às escolas.

A informação foi publicada por L'Osservatore Romano, 27/28-08-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

Segundo a agência das Nações Unidas, este ano fecharam mais de nove mil escolas, um número três vezes maior em relação aos números de 2017. No Mali, Burkina Faso e Níger, onde os ataques às escolas dobraram, o aumento registrado nos últimos dois anos é superior de seis vezes. Além disso, o relatório aponta que um quarto dos 742 ataques a escolas em 2019 ocorreu em cinco países da região.

Os dados da UNICEF são inequívocos: os ataques, diretamente responsáveis por mais da metade dos fechamentos dos institutos, "não são aleatórios", mas são realizados por "facções armadas" em oposição a uma educação muitas vezes percebida com hostilidade por ser de tipo "ocidental".

Muzoon Almellehan, a jovem refugiada embaixadora da UNICEF, lembrou que tais ameaças à educação podem levar à perda de referências fortes, que as crianças podem opor à sua exploração, como os "casamentos forçados ou recrutamento por parte de extremistas". Almellehan voltou recentemente de uma visita ao Mali com a vice-diretora do UNICEF, onde verificou essas experiências.

A agência da ONU, no entanto, conseguiu implementar, em cooperação com as autoridades locais, modelos educacionais alternativos, orientados para a inclusão e acessibilidade da educação, particularmente durante períodos de conflito. Em várias escolas corânicas na Nigéria, por exemplo, aos programas religiosos foram incorporados cursos de alfabetização e cálculo; enquanto em diferentes áreas de conflito da região, os cursos básicos são transmitidos às crianças por rádio. Além disso, muitas crianças recebem assistência psicossocial, comunicações de atendimento salva-vidas por telefone e cursos de treinamento para a prevenção da violências e discriminações sexuais.

Mas esses esforços exigem mais fundos. Os inovadores programas de emergência exigem um total de 221 milhões de dólares, em comparação com o 30% investidos. O déficit, segundo o relatório, está entre os mais altos do mundo para a educação e "bloqueia um caminho de eficácia comprovada para o fim da pobreza e para a construção da paz". O UNICEF pediu aos governos internacionais e às forças armadas que tomem nota dessa calamidade e ponham fim aos ataques e ameaças dirigidos às escolas, seus alunos e funcionários na África Ocidental e Central.

Para os vários governos, a agência lançou um convite, "agora, mais do que nunca, deve-se reafirmar o compromisso com a educação e proteger os fundos para a educação e para os cidadãos mais jovens".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Dramático relatório do Unicef. Quase dois milhões de crianças na África não poderão voltar à escola - Instituto Humanitas Unisinos - IHU