Saída de cubanos pode levar a aumento de 37 mil mortes, diz Opas

Mais Lidos

  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • Até quando? Editorial do L’Osservatore Romano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

28 Novembro 2018

O fim da atuação de profissionais cubanos no programa Mais Médicos pode gerar um aumento de 37 mil mortes de crianças menores de cinco anos até 2030, mostram resultados preliminares de um estudo encomendado pela Organização Pan-Americana de Saúde (Opas). O número é um pouco menor do que o estimado se todo o programa chegasse ao fim. Neste caso, o cálculo é de que o País teria, em 11 anos, 42 mil mortes a mais dentro nessa faixa etária.

A reportagem é de Lígia Formenti, publicada por O Estado de S. Paulo, 28-11-2018.

Apresentado pelo coordenador do Mais Médicos da Opas, Gabriel Vivas, o trabalho foi encomendando no ano passado. Antes, portanto, do anúncio do fim da cooperação entre Brasil e Cuba. O estudo teve como ponto de partida os ganhos nos indicadores alcançados na saúde do País desde a implantação do programa, em 2013.

No primeiro ano, a cobertura no programa Saúde da Família passou de 59,6% para 66,9%. Em 2017, 70% da população tinha acesso ao serviços. Até o rompimento do governo cubano, o Mais Médicos contava 8.556 profissionais recrutados pelo acordo de cooperação - o equivalente a 51,21% da força de trabalho.

Renato Tasca, integrante da Opas no Brasil, diz ser necessária a confirmação dos dados apresentados nesta terça-feira, 27. Mas levanta uma hipótese para o impacto significativo da atuação de profissionais cubanos no Mais Médicos estimada pelo trabalho. “Eles atuavam em regiões onde a carência na assistência era muito significativa. Nesses locais, crianças morriam por diarreia, por falta de assistência básica.”

Algo diferente do que ocorre em cidades maiores. “Ali crianças morrem de doenças que exigem atendimento especializado”, diz Tasca. “No primeiro caso (cidades pobres), a assistência dada pelos profissionais era essencial. No segundo (cidades maiores), residual.”

As afirmações foram feitas durante o lançamento do Relatório 30 anos de SUS - Que SUS para 2030?, preparado pela Opas. No estudo, foram dedicadas 20 páginas para a análise do Mais Médicos. Além da expansão da cobertura na assistência básica, o relatório mostra que dos municípios que tiveram um aumento de mais de 15% nos médicos em atuação por causa do programa, houve uma redução de internações de 8,3%, passados dois anos da iniciativa. No terceiro ano, a redução foi de 13,6%.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Saída de cubanos pode levar a aumento de 37 mil mortes, diz Opas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU