Arcebispo nigeriano é eleito presidente da Federação Luterana Mundial

Mais Lidos

  • “Com Francisco cumpre-se a profecia de Arrupe”. Entrevista com Pedro Miguel Lamet

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores. Sobre o envio da Newsletter

    LER MAIS
  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

16 Mai 2017

O arcebispo nigeriano Musa Panti Filibus foi eleito novo presidente da Federação Luterana Mundial durante os trabalhos da 12ª Assembleia Geral que se conclui nesta terça-feira, em Windhoek, Namíbia. Ele é o segundo presidente proveniente da África depois de Josiah Kibira, bispo da Tanzânia, que esteve à frente da Federação Luterana Mundial de 1977 a 1984.

A reportagem é do jornal L’Osservatore Romano, 15-05-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Foi uma escolha significativa dos delegados provenientes de todos os cantos do planeta, voltada a recompensar, por um lado, o crescente peso específico do continente africano dentro da comunhão luterana e, por outro, o grande trabalho desenvolvido ao longo dos anos de pastorado de Filibus, tanto dentro do seu país martirizado pelos ataques do grupo terrorista Boko Haram, quanto em âmbito internacional, com o papel de secretário do departamento para as missões e o desenvolvimento da África e com o compromisso na política inclusiva de gêneros, entre os pilares da Federação Luterana Mundial.

Filibus, que sucede o bispo Munib Younan e permanecerá no cargo por sete anos (até 2024), no discurso de posse, quis recordar os desafios para os próximos anos: “O meu sonho é o de uma federação cada vez mais protagonista em âmbito diaconal no enfrentamento das grandes tragédias do nosso tempo, começando pelos milhões de refugiados forçados a fugir das suas terras por causa das guerras ou das mudanças climáticas”.

Os protagonistas – acrescentou o presidente – são também e especialmente os jovens, que “devem se tornar atores principais da vida de cada Igreja individual”, e as mulheres, que “devem ser finalmente reconhecidas assim como os homens, sem mais o pesadelo das violências de gênero”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Arcebispo nigeriano é eleito presidente da Federação Luterana Mundial - Instituto Humanitas Unisinos - IHU