#perguntas e respostas. Artigo de Gianfranco Ravasi

Mais Lidos

  • No episódio dessa semana, as contradições de um Brasil dual, o Papa se manifesta sobre o caso Rupnik e a homossexualidade, o Dia de Memória do Holocausto e mais

    Informe IHU: 27/01/2023

    LER MAIS
  • Holocausto: as raízes não devem ser esquecidas

    LER MAIS
  • Papa Francisco: conservadores assustados com a possível escolha de um jovem bispo progressista para o ex-Santo Ofício

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

24 Janeiro 2023

"Como ironicamente sugeria o citado Oscar Wilde, 'todo mundo é capaz de dar respostas; mas é preciso ser um gênio para fazer as verdadeiras perguntas'", escreve Gianfranco Ravasi, em artigo publicado por Il Sole 24 Ore, 22-01-2023. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis o artigo.

A estupidez das pessoas vem de terem uma resposta para tudo. A sabedoria dos novos vem de ter uma pergunta para tudo.

Era 1984 e uma obra era campeã de vendas nas livrarias, A Insustentável Leveza do Ser, do escritor Milan Kundera. Muitos anos depois, retomo-o e encontro a afirmação que propus e que é essencialmente um elogio à pergunta. Claro, perguntas estúpidas ou inúteis muitas vezes ecoam no ar; mas em nossos dias, especialmente nas vias informáticas, imperam as respostas tanto mais assertivas e desdenhosas quanto mais falsas e enganosas. A Picasso é atribuída esta frase radical pronunciado na era em que tal instrumento começava a se afirmar: “Os computadores são inúteis. Só sabem te dar respostas”.

É claro que, como ironicamente sugeria o citado Oscar Wilde, “todo mundo é capaz de dar respostas; mas é preciso ser um gênio para fazer as verdadeiras perguntas”. E esse é o problema: o questionamento autêntico que faz a ciência progredir, a pesquisa aberta à aquisição, o olhar que atravessa a realidade e a existência sem se contentar com a superfície óbvia, são exercícios que já exigem um conhecimento de base. Por isso a ars interrogandi não se adapta ao borbulhar das ideias vãs, mas brota do solo fértil e arado do estudo e de um conhecimento prévio. E, como avisava São Paulo, “Examinai tudo. Retende o kal? (belo/bom)” (1 Tessalonicenses 5,21), enquanto a poetisa polonesa Wislawa Szymborska concluía: “Peço desculpa às grandes perguntas pelas pequenas respostas”, que normalmente nós todos damos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

#perguntas e respostas. Artigo de Gianfranco Ravasi - Instituto Humanitas Unisinos - IHU