Descongelamento do permafrost está moldando o clima global

Mais Lidos

  • “Devemos redescobrir Deus através do mistério”. Entrevista com Timothy Radcliffe

    LER MAIS
  • Vattimo, cristianismo, a verdade. Artigo de Flavio Lazzarin

    LER MAIS
  • Os de cima vêm com tudo. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

04 Julho 2022

 

Uma nova publicação e um mapa interativo resumem o estado atual do conhecimento sobre os riscos representados pelos solos do permafrost – e pedem uma ação decisiva.

 

A reportagem é de Alfred Wegener Institute, publicado por Helmholtz Centre for Polar and Marine Research (AWI) e reproduzida por EcoDebate, 01-07-2022. A tradução e a edição são de Henrique Cortez.

 

Como as mudanças climáticas estão afetando os solos permanentemente congelados do Ártico? Quais serão as consequências para o clima global, seres humanos e ecossistemas? E o que pode ser feito para impedir isso?

 

Na revista Frontiers in Environmental Science, uma equipe de especialistas liderada por Benjamin Abbott, da Brigham Young University, EUA, e Jens Strauss, do Alfred Wegener Institute, em Potsdam, resume o estado atual do conhecimento sobre essas questões. Além disso, um grupo AWI liderado por Moritz Langer criou um mapa interativo do passado e do futuro do permafrost.

 

Ambas as publicações chegam à mesma conclusão: para acabar com as tendências perigosas nessas regiões, as emissões de gases de efeito estufa terão que ser drasticamente reduzidas nos próximos anos.

 

Zona do Permafrost

Violeta, permafrost

Azul, solo congelado sazonalmente por mais de 15 dias/ano

Rosa, solo congelado intermitentemente por menos de 15 dias/ano

Linha, limite médio da max. extensão do solo coberto com neve

(Fonte: NASA | Wikimedia Commons)

O permafrost está subjacente a nada menos que dez por cento da superfície da Terra. Especialmente no Hemisfério Norte, há enormes extensões nas quais apenas os primeiros centímetros do solo derretem no verão; o restante permanece congelado durante todo o ano, a profundidades de várias centenas de metros. Pelo menos, esse é o caso até agora.

 

“As mudanças climáticas representam uma séria ameaça para essas regiões de permafrost”, diz Jens Strauss, do Alfred Wegener Institute, Helmholtz Center for Polar and Marine Research (AWI). Lá, as temperaturas da superfície terrestre subiram duas a quatro vezes mais rápido que a média global. Como resultado, as condições em terra e no mar estão mudando muito mais rápido do que o esperado. E isso pode ter uma série de consequências perigosas – para o clima, para a biodiversidade e para os seres humanos.

 

Por exemplo, esses congelamentos naturais contêm os restos de inúmeras plantas e animais, mortos há muito tempo. Quando o material descongela, os microrganismos começam a decompô-lo. No processo, eles convertem os compostos de carbono em gases de efeito estufa, como dióxido de carbono (CO 2 ) e metano (CH 4 ), que podem piorar ainda mais o aquecimento global.

 

No entanto, prever quando e em que escala isso acontecerá não é tarefa fácil. “Existem pontos de vista amplamente divergentes entre o público”, diz Strauss. Para algumas pessoas, as regiões de permafrost são uma bomba-relógio climática que em breve explodirá na cara da humanidade. Mas outros supõem que apenas quantidades insignificantes de gases de efeito estufa serão liberadas no Extremo Norte em um futuro próximo.

 

“Ambos estão errados”, enfatiza o pesquisador de Potsdam. “É verdade que não há razão para acreditar que o permafrost de repente começará a expelir enormes quantidades de gases de efeito estufa na atmosfera daqui a alguns anos, empurrando o clima além do ponto de inflexão.” No entanto, a situação também não deve ser minimizada. “Afinal, hoje as regiões de permafrost já estão liberando quase a mesma quantidade de gases de efeito estufa que as emissões anuais da Alemanha.” E de acordo com estimativas científicas, ao longo dos próximos dois séculos, esses solos poderiam liberar quantidades de gás na atmosfera que teriam o mesmo efeito de várias centenas de bilhões de toneladas métricas de CO2.

 

Além disso, à medida que a cobertura de gelo e neve diminui, a superfície das regiões de permafrost fica cada vez mais escura – e, portanto, é mais aquecida pelo sol do que no passado, quando a paisagem era branca. De acordo com o estado atual da pesquisa, em conjunto, esses dois fatores estão entre as influências mais importantes que podem alterar o clima da Terra.

 

A perda de solos de permafrost está ameaçando os habitats – a hora de agir é agora

 

As regiões de permafrost também abrigam mais da metade da natureza selvagem restante da Terra. Espécies de flora e fauna especialmente adaptadas que dependem da continuidade da existência desses ecossistemas vivem lá. Além disso, o degelo do permafrost significará sérios problemas para os milhões de pessoas que vivem no Ártico. O solo muitas vezes se torna instável quando o gelo que o mantém unido derrete. Em seguida, desmorona repentinamente ou é erodida pelo oceano, o que pode resultar em danos caros a prédios, ruas ou outros tipos de infraestrutura. No processo, também são liberadas toxinas como o mercúrio, que pode ser encontrado em altas concentrações em animais e pessoas que vivem no Ártico.

 

Para algumas comunidades do Alto Norte, toda a sua cultura e modo de vida dependem dos ecossistemas congelados. “Essas pessoas fizeram muito pouco para causar a mudança climática, mas são particularmente atingidas por ela”, diz Strauss. Consequentemente, os autores do estudo consideram que tomar medidas para proteger o permafrost é uma questão de justiça.

 

Na realidade, porém, o destino do permafrost dependerá do curso que os tomadores de decisão políticos escolherem para as emissões de gases de efeito estufa nos próximos dez anos. À luz dos rápidos avanços feitos nas energias renováveis, os especialistas acreditam que há possibilidades realistas de reduzir as emissões de gases de efeito estufa pela metade até 2030 e eliminá-las totalmente até 2050. Além disso, a população local precisa ser apoiada na proteção ecossistemas nas regiões de permafrost. “Definitivamente, podemos fazer mais”, ressalta Strauss. “Não temos tempo para demissões.”

 

Mapa interativo mostra mudanças passadas e futuras nos solos do permafrost

 

O quão urgente é a situação pode ser visto em um mapa interativo desenvolvido por seu colega Moritz Langer e sua equipe. No AWI, Langer lidera o grupo de jovens pesquisadores financiado pelo Ministério Federal da Educação e Pesquisa PermaRisk, que usa modelos de computador para simular mudanças no permafrost e nos riscos associados. Dessa forma, trabalhando com especialistas da Universidade de Oslo, o grupo agora pode oferecer uma visão virtual do passado e do futuro dos solos do permafrost.

 

“Usando o mapa, você pode ver como certas características do clima e do permafrost mudaram desde o ano de 1800”, explica Langer. Quão quente estava na superfície da Terra? A que profundidade o solo foi descongelado? E quanto carbono havia nessa camada ativa? Não só esses aspectos podem ser determinados até o presente; previsões também são possíveis. Com base em três cenários diferentes, o destino do permafrost pode ser simulado para baixas, médias e altas emissões de gases de efeito estufa. Eles mostram que, se conseguirmos manter o aquecimento global abaixo de dois graus Celsius, uma grande porcentagem do solo do permafrost permanecerá estável. “Infelizmente, no momento estamos caminhando para um aquecimento significativamente maior”, adverte Langer. E a simulação correspondente, baseada no aquecimento entre 4 e 6 graus dependendo da região,

 

Informações no mapa interativo disponível aqui.

 

Referências

 

Moritz Langer, Jan Nitzbon, Brian Groenke, Lisa-Marie Assmann, Thomas Schneider von Deimling, Simone Maria Stuenzi, Sebastian Westermann: The evolution of Arctic permafrost over the last three centuries. Disponível aqui.

 

Benjamin W. Abbott, Joanna Carey, Jessica G. Ernakovich, Jennifer Frederick, Laodong Guo, Gustaf Hugelius, Paul J. Mann, Raymond Lee, Michael M. Loranty, Robie Macdonald, Susan Natali, David Olefeldt, Abigail Rec, Martin Robards, Verity G. Salmon, Christina Schädel, Ted Schuur, Sarah Shakil, Arial Shogren, Jens Strauss, Suzanne Tank, Brett F. Thornton, Rachael Treharne, Merritt Turetsky, Carolina Voigt, Yuanhe Yang, Jay P. Zarnetske, Qiwen Zhang, Scott Zolkos: We must stop fossil fuel emissions to protect permafrost ecosystems. Frontiers in Environmental Science (2022). DOI: 10.3389/fenvs.2022.889428

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Descongelamento do permafrost está moldando o clima global - Instituto Humanitas Unisinos - IHU