O calor acumulado nos oceanos está em níveis recordes

Mais Lidos

  • Há 50 anos morria o homem que explicou a pobreza no Brasil

    LER MAIS
  • Da escola neoliberal à educação democrática. O papel da filosofia na revolução democrática da educação. Artigo de Christian Laval

    LER MAIS
  • A sucessão de golpes militares na África francófona reflete mudanças geopolíticas complexas, o papel da França na região e a necessidade de sair do círculo vicioso de eleições-golpes de Estado fraudulentos

    Françafrique ou como acabar com a lógica neocolonial. Entrevista com Amzat Boukari-Yabara

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

13 Janeiro 2022

 

Os oceanos do mundo estão mais quentes do que nunca, continuando seu recorde de temperatura pelo sexto ano consecutivo.

 

A descoberta baseada nos dados mais recentes até 2021 ocorre no final do primeiro ano da Década da Ciência Oceânica para Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, os 17 objetivos interligados para manter as sociedades humanas e os ecossistemas naturais em todo o mundo – muitos dos quais que estão relacionados com a saúde dos oceanos.

 

A reportagem é publicada por Institute of Atmospheric Physics (IAP) e reproduzida por EcoDebate, 11-01-2022. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

 

O relatório mais recente, de autoria de 23 pesquisadores de 14 institutos, foi publicado em 11 de janeiro de 2022 na Advances in Atmospheric Sciences. Ele resume dois conjuntos de dados internacionais: do Instituto de Física Atmosférica (IAP) da Academia Chinesa de Ciências (CAS) e dos Centros Nacionais de Informações Ambientais da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA), que analisam observações do calor do oceano conteúdo e seu impacto datam da década de 1950.

“O conteúdo de calor oceânico está aumentando implacavelmente, globalmente, e este é um indicador primário da mudança climática induzida pelo homem”, disse o autor do artigo Kevin Trenberth, renomado estudioso do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica no Colorado, EUA. “Neste relatório mais recente, atualizamos as observações do oceano até 2021, além de revisitar e reprocessar dados anteriores”.

No ano passado, os pesquisadores descobriram que os 2.000 metros superiores em todos os oceanos absorveram 14 Zettajoules a mais do que em 2020, o equivalente a 145 vezes a geração mundial de eletricidade em 2020. Para contextualizar, toda a energia que os humanos usam em todo o mundo em um único ano é cerca de metade de um Zettajoule [Zettajoule é 1 mais 21 zeros joules ou 240.000.000.000.000.000.000 calorias].

“Além de absorver calor, atualmente, o oceano absorve de 20 a 30% das emissões humanas de dióxido de carbono, levando à acidificação dos oceanos; no entanto, o aquecimento dos oceanos reduz a eficiência da absorção de carbono oceânica e deixa mais dióxido de carbono no ar”, disse Cheng Lijing, principal autor do artigo e professor associado do Centro Internacional de Ciências Climáticas e Ambientais do IAP CAS. “Monitorar e entender o acoplamento de calor e carbono no futuro são importantes para rastrear as metas de mitigação das mudanças climáticas”.

Os pesquisadores também avaliaram o papel de várias variações naturais, como as fases de aquecimento e resfriamento conhecidas como El Niño e La Niña, que afetam muito as mudanças regionais de temperatura. De acordo com o Cheng, as análises regionais mostram que o aquecimento robusto e significativo dos oceanos desde o final da década de 1950 ocorre em todos os lugares. No entanto, as ondas de calor marinhas regionais são uma consequência, com enormes impactos na vida marinha.

“Nosso trabalho anterior mostrou que os cientistas precisam de menos de 4 anos de medições do calor oceânico para detectar um sinal de aquecimento induzido pelo homem a partir de variações naturais. Isso é muito mais curto do que as quase três décadas de medições necessárias para detectar o aquecimento global usando temperaturas do ar próximas à da Terra. De fato, embora nos 10 anos mais quentes, as temperaturas globais da superfície para 2021 não sejam as mais altas já registradas devido às condições de La Niña no Pacífico tropical, entre outras coisas. O conteúdo de calor do oceano é um dos melhores indicadores das mudanças climáticas”, disse John Abraham, professor da Universidade de St. Thomas. Durante La Niña, o oceano realmente absorve, mas enterra calor extra abaixo da superfície.

“Com experimentos de modelo, nosso estudo mostra que o padrão de aquecimento dos oceanos é resultado de mudanças relacionadas ao homem na composição atmosférica”, disse Cheng. “À medida que os oceanos aquecem, a água se expande e o nível do mar sobe. Oceanos mais quentes também sobrecarregam os sistemas climáticos, criando tempestades e furacões mais poderosos, além de aumentar o risco de precipitação e inundações”.

“Os oceanos estão absorvendo a maior parte do aquecimento das emissões humanas de carbono”, disse o autor do artigo Michael Mann, professor de ciências atmosféricas da Universidade Estadual da Pensilvânia. “Até chegarmos a zero emissões líquidas, esse aquecimento continuará, e continuaremos quebrando recordes de conteúdo de calor oceânico, como fizemos este ano. Uma melhor conscientização e compreensão dos oceanos são a base para as ações de combate às mudanças climáticas”.

 

 

Referência:

 

Cheng, L. J, and Coauthors, 2022: Another record: Ocean warming continues through 2021 despite La Nina conditions. Adv. Atmos. Sci., disponível aqui.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O calor acumulado nos oceanos está em níveis recordes - Instituto Humanitas Unisinos - IHU