Phyllis Zagano sobre a sinodalidade e as mulheres

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Lula manda carta a Francisco e mostra seu temor pelo “risco” do segundo turno nas eleições

    LER MAIS
  • A síndrome de Cassandra

    LER MAIS
  • Uso abusivo da religião nas eleições. Artigo de Frei Gilvander Moreira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Setembro 2021

 

Phyllis Zagano foi parceira da Scottish Laity Network no terceiro evento da jornada Rumo a uma Igreja Sinodal. Ela começou a noite falando sobre a realidade da situação atual das mulheres na Igreja Católica – “elas são os pilares do ministério pastoral, mas estão cada vez mais frustradas com a resposta da Igreja aos pedidos de uma maior presença profissional das mulheres no ministério”.

A reportagem é de Robert Burnett, publicada por Independent Catholic News, 19-09-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

 

Refletindo sobre o Sínodo da Amazônia, de 2019, que havia pedido por mais funções para as mulheres, além do processo de consulta que o Sínodo dos Bispos agendou para outubro de 2023, ela sentiu que algumas pessoas frustradas estão dizendo “a conversa vai acabar para sempre”.

Embora os Documentos Sinodais enfatizem que os marginalizados devem ser incluídos, especificamente os jovens e as mulheres, a questão é como essa participação será possibilitada. Em algumas dioceses existe o fantasma de Bispos simplesmente irem aos suspeitos de costume, escolhendo entre as pessoas que ele conhece e que estão de acordo com ele.

O Escritório Sinodal escreveu, em maio de 2021, a todos os bispos do mundo pedindo o nome da pessoa ou pessoas que seriam a referência de contato para o Processo Sinodal (que deve começar em outubro de 2021). As respostas até agora parecem muito dependentes do bispo, e isso, pensa Phyllis, levanta uma questão séria sobre todo o processo.

Por outro lado, existem muitos grupos que buscam se engajar positivamente no processo sinodal. Na verdade, esses grupos são mencionados especificamente nos documentos sinodais que afirmam que, além das dioceses e paróquias participantes, querem se envolver com outros grupos de mulheres e homens. Diz que mesmo os indivíduos devem ter voz.

Se indivíduos e grupos encontrarem maneiras de levantar sua voz, a próxima tarefa é garantir que ela seja ouvida no Sínodo. Precisamos encontrar maneiras criativas de garantir que nossos impulsos do Espírito não sejam filtrados por um processo no qual os bispos são fundamentais, tanto em nível diocesano quanto em nível de Conferência Episcopal.

 

No próprio Sínodo – as mulheres votarão?

 

Sobre o Documento Preparatório – a forma como as coisas vão acontecer – Phyllis refletiu sobre a posição de Nathalie Becquart, uma irmã xavieriana de Paris e subsecretária do Sínodo dos Bispos. Diz-se que ela poderá votar, mas em uma recente entrevista coletiva o cardeal Grech não afirmou se mais alguém teria direito a voto. No entanto, a questão de Nathalie ter uma votação na verdade não está clara porque se o Sínodo de 2023 for uma sessão ordinária do Sínodo dos Bispos, isso normalmente significa que apenas os bispos votam. Phyllis disse que a questão é “estamos falando sobre uma posição ou sobre uma pessoa votando”.

Referindo-se ao fato de que os leigos votaram no Sínodo Pan-Amazônico, Phyllis Zagano destacou que se tratava de uma sessão sinodal especial do Sínodo dos Bispos e os leigos que votaram faziam parte do grupo nomeado pela União dos Superiores Gerais (UISG). Porém, as mulheres da UISG que compareceram não votaram, mas sim os homens que compareceram. Curiosamente, a maioria das mulheres eram chefes de ordens religiosas femininas e poderia haver um argumento de que elas são equivalentes às antigas abadessas e, portanto, equivalentes aos bispos.

 

Mulheres e Ministério

 

Abordando a questão da ordenação de mulheres, Phyllis pensa que precisamos dividir as questões entre mulheres como sacerdotisas e mulheres como diáconas. Ela entende que o ofício sinodal é muito forte no fato de que as questões doutrinárias não serão discutidas e, portanto, o ponto chave é: a doutrina de que as mulheres não podem ser ordenadas sacerdotes é uma doutrina imutável? Ela recomendou não defender as mulheres como sacerdotes, mas sim tentar compreender o nível da doutrina, o nível do ensino.

Não vamos discutir a noção da Trindade. Não vamos discutir a humanidade e a divindade de Jesus Cristo. Vamos discutir, e devemos ser capazes de discutir, a prática e a disciplina da igreja.

Para ela, o sacerdócio é um obstáculo, pois foi declarado uma questão doutrinária; no entanto, embora você não possa discutir o sacerdócio, pode discutir o diaconato.

 

História do Diaconato

 

Phyllis resumiu a história das mulheres como diáconas e disse que a questão das mulheres no diaconato tem sido uma questão desde o Concílio de Trento.

O diaconato foi revisado e revivificado com o Concílio Vaticano II e, em 1992, a Comissão Teológica Internacional abordou a questão das diáconas e produziu um artigo positivo, mas o então prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, Joseph Ratzinger, que também era o presidente da Comissão Teológica Internacional, recusou-se a promulgá-lo. A pergunta foi então apresentada a um novo subcomitê, de 1997-2002, e eles ampliaram seu escopo e, embora não tenha muitas informações sobre mulheres diáconas, afirma que mulheres e homens diáconos tinham diferentes tarefas e deveres e diferentes cerimônias de nomeação. Eles também claramente constataram que o diaconato não é um sacerdócio: são duas ordens separadas. Sua conclusão foi que a decisão de restaurar as mulheres para o estado diaconal é elevar ao “ministério do discernimento que Deus deixou à Igreja”.

No entanto, qualquer discernimento teve que esperar até maio de 2016, quando a União Internacional de Superiores Gerais disse ao Papa Francisco: “Estamos fazendo o trabalho de mulheres diáconas, por que não podemos ser ordenadas diáconos?”. Francisco disse: “Essa é uma boa ideia”, e em agosto de 2016 nomeou a Pontifícia Comissão para o Estudo do Diaconato e das Mulheres. Phyllis era membro desta comissão, que se reuniu quatro vezes e fez um relatório ao Santo Padre, porém Phyllis não viu a cópia final do relatório final. Então veio o Sínodo Pan-Amazônico e nove dos doze grupos linguísticos pediram mulheres diáconas, o que pareceu resultar no Papa Francisco nomeando uma Comissão completamente nova, em abril de 2020, e que se reuniu pela primeira vez na semana passada, e nós simplesmente temos que esperar para ver o que vai acontecer.

 

Objeção principal: as mulheres não podem ser a imagem de Cristo

 

Phyllis perguntou o que os diáconos fazem agora, que uma mulher não pode fazer? As mulheres agora podem ser instituídas ou instaladas como leitoras, acólitas e o novo ministério de catequista, mas, apesar das liturgias antigas e medievais documentarem que as mulheres eram ordenadas diáconas por seus bispos, o pensamento atual é que as mulheres não podem receber o sacramento da ordem porque elas não podem ser a imagem de Cristo.

A decisão do Concílio Vaticano II de restaurar o diaconato como vocação permanente mostra um caminho a seguir? O Concílio, observando que os homens já atuavam como diáconos, considerou justo fortalecê-los, “pela imposição das mãos para que desempenhem seu ministério com mais eficácia por causa da graça sacramental do diaconato”.

Olhando para o Sínodo de 2023, é possível que as mulheres diáconas recebam o sacramento da ordem, embora reconheçam que o diaconato não é o sacerdócio.

Phyllis concluiu afirmando: “E as mulheres podem ser a imagem do Senhor Ressuscitado”.

Acho que dizer qualquer outra coisa é equivalente à heresia.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Phyllis Zagano sobre a sinodalidade e as mulheres - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV