Mulheres alemãs em pé de guerra, pedem ao Papa o direito de voto no Sínodo

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Lula manda carta a Francisco e mostra seu temor pelo “risco” do segundo turno nas eleições

    LER MAIS
  • A síndrome de Cassandra

    LER MAIS
  • Uso abusivo da religião nas eleições. Artigo de Frei Gilvander Moreira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


08 Setembro 2021

 

O "bônus" que o Papa Francisco concedeu no ano passado às mulheres que pediram o direito de voto durante o Sínodo - ao nomear uma freira francesa subsecretária do dicastério vaticano (a fim de lhe garantir o voto com base no papel desempenhado, sem, no entanto, que esse direito seja automaticamente estendido a todas as observadoras) - provocou a reação de mulheres alemãs fortemente engajadas nas processo sinodal nacional. Um percurso realmente revolucionário em que afloraram fortes pedidos para finalmente ter maior inclusão e igualdade.

A reportagem é de Franca Giansoldati, publicada por Il Messaggero, 07-09-2021. A tradução é de Luisa Rabolini.

 

Aprofundamentos

 

A Federação das Mulheres Católicas na Alemanha (KDFB) pediu a Francisco que seja garantido às mulheres o direito de voto durante o próximo Sínodo dos Bispos. Uma participação considerada necessária. O próximo Sínodo é intitulado "Por uma Igreja sinodal: Comunhão, participação e missão". Considerando que as mulheres representam metade dos católicos, este não parece ser um pedido exagerado.

"Continua um absurdo e não é mais aceitável" que as mulheres na Igreja sejam excluídas dos processos de consulta e das decisões que afetam todos os fiéis - incluindo todas as mulheres católicas, disse a presidente da KDFB, Maria Flachsbarth, na segunda-feira. "Isso contradiz a convicção de fé de que todos aqueles que são batizados têm a mesma dignidade".

A associação KDFB pediu ao Papa Francisco que as convidasse e as encorajasse a participar. As mulheres especialistas em teologia e pastoral deveriam ser envolvidas na preparação dos documentos de trabalho da mesma forma que os homens. Com cerca de 180.000 membros, a KDFB é a segunda maior associação de mulheres católicas da Alemanha.

 

Nota do Instituto Humanitas Unisinos - IHU

No dia 02 de setembro de 2021, no XX Simpósio Internacional IHU A (I) Relevância pública do cristianismo num mundo em transição, Tina Beattie, teóloga, proferiu a conferência 'Mulheres na vida da Igreja. Avanços e obstáculos no Pontificado de Francisco'.

 

Eis a íntegra da conferência.

 

 

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mulheres alemãs em pé de guerra, pedem ao Papa o direito de voto no Sínodo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV