Comitê pela Fraternidade Humana, uma oração pela humanidade no dia 14 de maio

Mais Lidos

  • Como o Papa Francisco está tentando “feminilizar” a Igreja

    LER MAIS
  • “Os maus-tratos aos animais é uma expressão do mal e da nossa incapacidade de aceitar os outros”. Entrevista com Corine Pelluchon

    LER MAIS
  • Israel-Palestina. Um soldado se sacrifica e um primeiro-ministro renuncia: o genocídio em Gaza provoca ações desesperadas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

04 Mai 2020

Uma mensagem em treze idiomas diferentes, do persa ao suaíli, para os "irmãos" que acreditam em Deus o Criador, para os "irmãos" na humanidade em todos os lugares. O Alto Comitê para a Fraternidade Humana apresenta essa proposta neste momento marcado pelo coronavírus, convidando a "um dia de oração, jejum e invocação para a humanidade".

A reportagem é de Francesca Sabatinelli, publicada por Vatican News, 02-05-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

"Não vamos esquecer de nos dirigir a Deus, o Criador, nesta crise ", em um momento em que o mundo enfrenta o grave perigo do Covid-19 "que ameaça a vida de milhões de pessoas em todo o planeta", o Alto Comitê para a Fraternidade Humana relembra o papel fundamental dos médicos e da pesquisa científica, mas, acima de tudo, pede a todas as pessoas, em todas as partes do mundo, de acordo com sua religião, fé ou doutrina, que "se dirijam a Deus orando, implorando e jejuando e obras de misericórdia", "para que Ele elimine essa epidemia, nos salve dessa aflição, ajude os cientistas a encontrar um remédio que a derrote e para que Ele liberte o mundo das consequências sanitárias, econômicas e humanitárias da disseminação desse grave contágio".

Um dia de oração e jejum para superar a pandemia

O Alto Comitê propõe, portanto, definir o dia 14 de maio como "um dia de oração, jejum e invocação para a humanidade", solicitando os líderes religiosos e todas as pessoas do mundo, "a responder a este convite humanitário e dirigir-se com Deus com uma só voz, para que preserve a humanidade, a ajude a superar a pandemia, restitua-lhe a segurança, a estabilidade, a saúde e a prosperidade e torne o nosso mundo, eliminada esta pandemia, mais humano e mais fraterno".

O Comitê continua sua ação para promover a paz

O Alto Comitê para a Fraternidade Humana, presidido pelo cardeal Miguel Angel Ayuso Guixot, presidente do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso, foi instituído em agosto passado, na Casa Santa Marta, poucos meses após o encontro histórico em Abu Dhabi, em 4 de fevereiro de 2019, entre o Papa Francisco e o grande imã de Al-Azhar, Ahmed al-Tayyeb e, portanto, da assinatura do "Documento sobre a fraternidade humana em prol da paz mundial e da convivência comum". O Alto Comitê é composto por líderes religiosos, estudiosos e expoentes da cultura de todo o mundo, pertencentes ao mundo cristão, muçulmano e judeu, que se inspiram no documento e se dedicam a promover seus ideais de paz e respeito mútuo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Comitê pela Fraternidade Humana, uma oração pela humanidade no dia 14 de maio - Instituto Humanitas Unisinos - IHU