A insensatez da maioria do PT no Senado

Mais Lidos

  • “A destruição das florestas não se deve apenas ao que comemos, mas também ao que vestimos”. Entrevista com Rubens Carvalho

    LER MAIS
  • Povos Indígenas em debate no IHU. Do extermínio à resistência!

    LER MAIS
  • “Quanto sangue palestino deve fluir para lavar a sua culpa pelo Holocausto?”, questiona Varoufakis

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

02 Fevereiro 2017

"A maioria da bancada do PT no Senado, acometida por uma espécie de alheamento da realidade [síndrome do cretinismo parlamentar], desprezou o apelo ruidoso da imensa massa de militantes, filiados, simpatizantes e parlamentares que não transige na luta democrática e no combate aos golpistas e ao regime de exceção. Esta insensatez atinge pesadamente a imagem do PT. É um erro que mina a confiança na possibilidade de mudança do PT",constata Jeferson Miola, integrante do Instituto de Debates, Estudos e Alternativas de Porto Alegre (Idea) e foi coordenador-executivo do 5º Fórum Social Mundial.

Eis o artigo.

A democracia é a questão que organiza, classifica e divide a sociedade brasileira hoje – não só na política; mas, sobretudo, na vida.

Num lado, agrupam-se aqueles segmentos que estão na resistência democrática e popular em defesa da democracia, do Estado de Direito, das Leis, da Constituição e das conquistas do povo brasileiro.

No outro lado, estão aqueles que abastardaram a democracia e o Estado de Direito e que, com sentimentos mesquinhos, misóginos, racistas e machistas, perpetraram o golpe de Estado através do impeachment fraudulento da Presidente Dilma para impor a agenda ultra-neoliberal e eliminar as conquistas sociais.

Um e outro lado são integrados por classes e frações de classes: no lado da resistência, o espectro democrático e popular, a representação dos subalternos; noutro lado, o do regime de exceção, estão a oligarquia golpista e as distintas frações da classe dominante colonizada e dependente.

A luta pela democracia, portanto, assumiu o caráter de luta de classes; a luta democrática é o componente divisório da luta de classes hoje no Brasil.

A militância do PT e da esquerda social tem extraordinária consciência desta verdade. Expressão disso é a rebelião militante que erupcionou no interior do PT quando a direção partidária aventou a possibilidade de apoiar golpistas na eleição interna do Congresso.

Esta rebelião conseguiu reverter o equívoco que a bancada do PT na Câmara cometeria se apoiasse quaisquer dos candidatos golpistas para a presidência da Casa – o PT, então, por unanimidade se somou à candidatura de André Figueiredo, do PDT.

No Senado, todavia, a maioria da bancada do PT, à exceção de Gleisi Hoffmann, Lindbergh Farias e Fátima Bezerra, optou por liberar a bancada, o que permite o voto no senador Eunício de Oliveira, do PMDB de Cunha, Temer, Geddel, Padilha, Jucá – partido da linha de frente da conspiração que derrubou a Presidente Dilma.

A maioria da bancada do PT no Senado, acometida por uma espécie de alheamento da realidade [síndrome do cretinismo parlamentar], desprezou o apelo ruidoso da imensa massa de militantes, filiados, simpatizantes e parlamentares que não transige na luta democrática e no combate aos golpistas e ao regime de exceção.

Esta insensatez atinge pesadamente a imagem do PT. É um erro que mina a confiança na possibilidade de mudança do PT.

Quando a vontade majoritária do Partido é secundarizada pela autonomia de decisão dos mandatos parlamentares, não se está somente diante de um erro político e organizativo, mas de flagrante violação da democracia partidária.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A insensatez da maioria do PT no Senado - Instituto Humanitas Unisinos - IHU