Julgamento de acusados pela 'chacina de Unaí' é adiado para 27 de outubro

Mais Lidos

  • No meio do caminho estava o CIMI: 50 anos do documento-denúncia “Y-Juca-Pirama” e a atuação do Pe. Antônio Iasi Jr, SJ

    LER MAIS
  • Católicos versus Evangélicos no Brasil: “guerra de posição” x “guerra de movimento”. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    LER MAIS
  • Frente à carnificina, testemunhar. O quê? Uma resposta do cristianismo de libertação. Artigo de Jung Mo Sung

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

23 Outubro 2015

O julgamento de dois acusados da chacina de Unaí, Norberto Mânica e José Alberto Castro, foi adiado para a próxima terça-feira, 27, a pedido da defesa de Mânica. A justificativa foi a apresentação, no último dia 19, de um vídeo de delação premiada de outro acusado, Hugo Pimenta, que também seria julgado nessa quinta, mas, com a delação, terá julgamento em separado. A data inicial seria 4 de novembro mas, com o novo calendário, ainda pode ser alterada.

A reportagem é de Leonardo Augusto, publicada por O Estado de S. Paulo, 22-10-2015. 

O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, afirmou durante a sessão, ser fundamental o acesso da defesa ao vídeo, e ameaçou abandonar a sessão caso isso não ocorresse. O juiz Murilo Fernandes, então, disse que intimaria a defensoria pública para dar prosseguimento à sessão. Ao final, no entanto, houve acordo com o mesmo Ministério Público Federal (MPF) para o adiamento da sessão.

Na semana que vem está previsto o julgamento de Antério Mânica, irmão de Norberto e prefeito da cidade por duas vezes (2005 a 2008 e 2009 a 2012). Por ter sido prefeito, e por causa do foro privilegiado, o processo de Antério correu em separado. Os dois são fazendeiros. Hugo Alves Pimenta e José Alberto de Castro são apontados como intermediadores da contração dos pistoleiros que assassinaram os funcionários do ministério.

O crime ocorreu em 28 de janeiro de 2004. Os fiscais do trabalho Nelson José da Silva, João Batista Lages e Erastótenes de Almeida Gonçalves, que estavam juntos com o motorista Ailton Pereira de Oliveira, foram mortos a tiros em uma emboscada na zona rural de Unaí, no momento em que trabalhavam na região, com alta incidência de trabalho escravo e contratações irregulares de trabalhadores. Os quatro foram assassinados dentro do veículo com o qual se deslocavam nas visitas às propriedades rurais.

O Noroeste de Minas é um dos principais produtores de grãos do Estado, sobretudo milho e feijão. Conforme a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), os quatro foram mortos em função da atividade que exerciam. Os pistoleiros contratados para o crime, Erinaldo Vasconcelos Silva, Rogério Allan Rocha Rios e Willian Gomes de Miranda, já foram condenados a penas que variam de 56 a 94 anos de prisão. O julgamento ocorreu em setembro de 2013.

Um dos culpados, Erinaldo Silva, réu confesso, admitiu ter recebido R$ 50 mil para cometer o crime. A contratação do serviço, ainda conforme o pistoleiro, ocorreu em Formosa (GO), por intermédio de Francisco Pinheiro, réu falecido. A justificativa apresentada foi que os fiscais estavam "incomodando algumas pessoas". Se condenados, as penas podem ser de 12 a 30 anos de prisão multiplicadas por quatro, que é o número de vítimas. A demora no julgamento se deveu a recursos apresentados pelos acusados. Todos estavam em liberdade.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Julgamento de acusados pela 'chacina de Unaí' é adiado para 27 de outubro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU