JMJ 2016 segundo os jornais poloneses: política, fé e comparações entre Wojtyla e Bergoglio

Mais Lidos

  • Elon Musk e o “fardo do nerd branco”

    LER MAIS
  • O Novo Ensino Médio e as novas desigualdades. Artigo de Roberto Rafael Dias da Silva

    LER MAIS
  • “Um Netanyahu em plena fuga para a frente vai responder ao Irã, e apenas os EUA podem evitar o pior”

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

26 Julho 2016

"O papa no país da força e da fé", intitula-se o número atual da maior revista conservadora, W Sieci (Em Rede). "O pontífice chega a um país particularmente constante na fé, no oásis de calma moral", afirma, na entrevista publicada pela mesma revista, a primeira-ministra polonesa, Beata Szydło, que, referindo-se aos recentes ataques terroristas, salientou que "o terrorismo é uma guerra declarada contra a civilização europeia" e "lamenta" a "fraqueza das estruturas europeias".

A reportagem é do Servizio Informazione Religiosa (SIR), 25-07-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Ela também enfatiza que, "se tivessem sido levados em consideração os diagnósticos do partido Lei e Justiça", partido de maioria absoluta e do governo polonês, "talvez as coisas teriam sido diferentes".

A mesma revista cita as palavras de Jesus a Santa Faustina e anotadas no seu Diário: "Eu amo a Polônia de modo particular e, se ela obedecer a minha vontade, exaltá-la-ei em potência e santidade. Dela, sairá a centelha que preparará o mundo para a minha última vinda" (1732).

A revista Wprost, na edição de 25 de julho, aponta para a comparação entre João Paulo II, que "foi um guia", e o Papa Francisco, "o companheiro de viagem". Adam Szostkiewicz, da revista Polityka, tenta responder à interrogação: "Por que o Papa Francisco não agrada a direito nacional-conservadora".

O portal Wiara, da Gość Niedzielny, a revista polonesa mais lida, citando os dados CBOS (um renomado centro de análise da opinião pública), demonstra que a Jornada Mundial da Juventude de Cracóvia permitirá que os poloneses aprofundem a sua fé e contribuirá para promover o país.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

JMJ 2016 segundo os jornais poloneses: política, fé e comparações entre Wojtyla e Bergoglio - Instituto Humanitas Unisinos - IHU