Um gesto audacioso

Mais Lidos

  • “O governo de Milei é um governo-isca”. Entrevista com Magdalena Chirom

    LER MAIS
  • O papa ainda está vivo, mas os abutres começam a circular. Artigo de Robert Mickens

    LER MAIS
  • O sacerdócio não é a solução. Artigo de Luigino Bruni

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Por: André | 16 Mai 2016

Francisco deu, na quinta-feira, uma nova demonstração de audácia frente aos setores mais conservadores do catolicismo ao reabrir o debate sobre o ministério consagrado das mulheres. Ele admitiu a criação de uma comissão oficial da Igreja para analisar o diaconato feminino nos primeiros tempos do catolicismo. Este pode ser o caminho escolhido para habilitar a discussão sobre o sacerdócio das mulheres, uma questão que o Papa João Paulo II havia fechado em 1994 na carta Ordinatio Sacerdotalis com o argumento de que Jesus convocou apenas varões, os apóstolos, como seus colaboradores diretos.

A reportagem é de Washington Uranga e publicada por Página/12, 13-05-2016. A tradução é de André Langer.

O Papa Bergoglio não costuma ser um homem de anúncios altissonantes. Sua estratégia é a dos gestos e dos avanços medidos, estudados, mas sempre a passo firme. Também não foge do conflito que decisões como esta podem lhe trazer no seio da própria Igreja, em particular pela resistência dos setores conservadores.

Na Igreja, o debate sobre o diaconato feminino não é uma novidade. Até mesmo durante a última sessão do Sínodo dos Bispos celebrado no Vaticano em outubro do ano passado, o arcebispo canadense Paul-André Durocher fez uma intervenção sobre o tema. Nessa oportunidade o prelado pediu “para refletir seriamente sobre a possibilidade de abrir o diaconato feminino, porque abriria o caminho para maiores oportunidades para as mulheres na vida da Igreja”.

Agora, Francisco institucionalizou a discussão sobre o tema abrindo uma porta que parecia definitivamente fechada apesar dos pedidos de muitos grupos de mulheres na própria Igreja. Tudo parece indicar que Bergoglio continua disposto a derrubar barreiras que até antes de seu pontificado pareciam intransponíveis.

A audácia de Francisco não está na espetacularidade de suas decisões, mas na perseverança em uma conduta que marca a necessidade de trilhar o maior número de caminhos possíveis para mudar a própria Igreja católica e sua imagem no mundo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Um gesto audacioso - Instituto Humanitas Unisinos - IHU