Quem assiste ao filme "A Grande Aposta" sai do cinema satisfeito

Mais Lidos

  • “A destruição das florestas não se deve apenas ao que comemos, mas também ao que vestimos”. Entrevista com Rubens Carvalho

    LER MAIS
  • Povos Indígenas em debate no IHU. Do extermínio à resistência!

    LER MAIS
  • “Quanto sangue palestino deve fluir para lavar a sua culpa pelo Holocausto?”, questiona Varoufakis

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

15 Janeiro 2016

"O maior risco de 'A Grande Aposta' é evidente. Partes consideráveis da trama são incompreensíveis para quem não tem familiaridade com o mercado financeiro", comenta Thales de Menezes, crítico de cinema, ao comentar o filme "A Grande Aposta", em artigo publicado por Folha de S. Paulo, 14-01-2016. 

Eis a análise.

Quem assiste ao filme "A Grande Aposta" sai do cinema satisfeito e passa a admirar bastante três pessoas.

A primeira é Michael Lewis, que lançou em 2010 o livro homônimo que originou o longa. O escritor tem a capacidade invejável de pegar um assunto complexo como a bolha de crédito no mercado imobiliário americano que provocou a crise de 2008 e transformá-lo num relato empolgante.

A segunda é Adam McKay, o diretor que conseguiu quebrar a complexidade do tema introduzindo sacadas engraçadas, ancorado no recurso de fazer os personagens às vezes falarem ao espectador, olhando para a câmera.

A terceira é Steve Carell, que interpreta o agente financeiro Mark Baum, um dos que aposta contra a estabilidade do mercado para tentar se dar bem na crise. O ator compõe um personagem histérico, "pilhado" e inesquecível.

Carell consegue se destacar entre uma concorrência pesada. Christian Bale está bem como o gênio matemático esquisitão Michael Burry, o primeiro a prever o colapso. Passa os dias trancado em sua sala, analisando números enquanto escuta heavy metal no volume máximo.

Brad Pitt vai bem como Ben Rickert, um investidor recluso e cheio de manias tirado de uma aposentadoria precoce por dois jovens corretores que esbarram na chance de apostar na bolha das hipotecas.

Enfim, elenco não é problema em um filme no qual até os medianos Ryan Gosling e Marisa Tomei aparecem charmosos e convincentes. Fica fácil para eles com um roteiro tão inteligente e uma edição enxuta, mas vibrante.

O maior risco de "A Grande Aposta" é evidente. Partes consideráveis da trama são incompreensíveis para quem não tem familiaridade com o mercado financeiro.

A dica é simples: não se importar com isso e seguir assistindo, confiando nos recursos engraçados empregados por McKay. Como mostrar uma bela garota nua numa banheira para explicar alguns aspectos realmente intrincados das negociações.

"A Grande Aposta" se torna parente de "O Lobo de Wall Street". No mesmo pique frenético do filme de Scorsese, outro longa que foca o mercado de ações, é exemplo de ótimo cinema, mesmo conduzindo o público para um cenário espinhoso. Com inteligência e talento.

A GRANDE APOSTA (THE BIG SHORT)
DIREÇÃO Adam Mckay
ELENCO Christian Bale, Steve Carell, Ryan Gosling, Brad Pitt
PRODUÇÃO EUA, 2015, 12 anos
QUANDO estreia nesta quinta (14)

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Quem assiste ao filme "A Grande Aposta" sai do cinema satisfeito - Instituto Humanitas Unisinos - IHU