FARC anunciam cessar-fogo de um mês na Colômbia; ONU e governo elogiam medida

Mais Lidos

  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • Inaugurado o novo escritório do Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiados na UNISINOS: um sonho de Pedro Arrupe

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

10 Julho 2015

As FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) anunciaram, nesta quarta-feira (08/07), que adotarão um cessar-fogo unilateral pelo prazo de um mês, a partir de 20 de julho. O objetivo da guerrilha é criar condições para que o governo adote medida similar e a sociedade colombiana vivencie um cessar-fogo bilateral.

A reportagem é de Vanessa Martina Silva, publicada no Portal Uol, 08-07-2015.

A iniciativa foi elogiada pela ONU (Organização das Nações Unidas) no país, que a classificou como “muito significativa”. O presidente Juan Manuel Santos, por sua vez, valorizou a medida, mas disse que “é preciso mais”.

O anúncio ocorre em meio à intensificação dos combates entre ambas as partes, ocorrida após a retomada dos confrontos no final de maio, em represália a um bombardeio do Exército que matou 27 insurgentes.

Pela primeira vez, nesta terça (07/07), os países garantidores dos diálogos de paz — Cuba, Noruega, Venezuela e Chile — pediram às partes a “desescalada urgente do conflito armado”, o cessar-fogo bilateral e que sejam tomadas medidas de “construção de confiança” entre guerrilheiros e o governo.

Neste contexto, o chefe da equipe negociadora das FARC, Iván Márquez, anunciou a decisão da guerrilha nesta quarta (08/08). “Recolhendo o espírito do chamado dos garantidores do processo, Cuba e Noruega, e dos acompanhantes do mesmo, Venezuela e Chile, anunciamos nossa disposição em ordenar um cessar-fogo unilateral a partir de 20 de julho, por um mês”, disse.

O líder guerrilheiro acrescentou que o grupo busca "gerar as condições favoráveis para avançar com a contraparte na criação de um cessar-fogo bilateral e definitivo”. E concluiu: “viemos a Cuba para alcançar um acordo de paz, para por um fim a uma guerra que ultrapassa meio século. Nada pode nos satisfazer mais do que acabar definitivamente com a confrontação, a violência, a geração de vítimas e o sofrimento do povo colombiano em consequência do conflito”.

Repercussão

A ONU deu as “boas vindas” à declaração das FARC e a considerou como um “primeiro passo muito significativo” para conseguir a redução do conflito armado no país.

A organização internacional classificou, em um comunicado, que o cessar-fogo é “necessário nessa conjuntura do processo” e que espera que a medida tenha “um impacto positivo no alívio do sofrimento da população civil nas zonas de conflito e que ajude a fortalecer a confiança no processo de paz”.

O presidente Santos afirmou que valoriza a nova trégua anunciada pela guerrilha, mas disse que “é preciso mais”. Ele voltou a pedir compromissos para acelerar os diálogos, que são realizados desde novembro de 2012, e disse que para um cessar-fogo bilateral acontecer é preciso acelerar as negociações.

“Se esse cessar-fogo vier acompanhado de compromissos concretos sobre avanços no tema da justiça e do cessar-fogo bilateral e definitivo, aí sim estamos falando de um avanço muito sério e muito importante na construção dessa paz”, ressaltou Santos.

Cessar-fogo bilateral

O fim das hostilidades de ambas as partes é defendido pela guerrilha desde o início das conversas. O assunto chegou a ser cogitado pelo governo no início do ano, mas não avançou.

A ideia, no entanto, voltou à tona na segunda-feira (06/07), quando De la Calle afirmou, em entrevista a meios de comunicação colombianos, que o governo está disposto “a um cessar-fogo, ainda que antes da assinatura de um acordo, na medida em que seja sério, bilateral, definitivo e verificável”.

Ao anunciar uma mudança na alta cúpula do Exército nesta terça (07/07), no entanto, Santos foi incisivo ao pedir que as Forças Armadas mantivessem a ofensiva contra as FARC, descartando, na ocasião, um cessar-fogo em meio às negociações.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

FARC anunciam cessar-fogo de um mês na Colômbia; ONU e governo elogiam medida - Instituto Humanitas Unisinos - IHU