Água: em busca do tempo perdido

Mais Lidos

  • Influenciadores ou evangelizadores digitais católicos? Artigo de Dom Joaquim Mol

    LER MAIS
  • Para onde estamos indo? Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS
  • Os equilíbrios de Lula no Brasil pós-Bolsonaro. Artigo de Bernardo Gutiérrez

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

18 Março 2015

Captar água da chuva, fiscalizar valores cobrados pela indústria da água e recuperar áreas de mananciais. Essas são algumas das soluções apresentadas no Chamado à Ação, documento elaborado pela Aliança pela Água, lançado em encontro de especialistas hídricos realizado na última sexta-feira, 16/03/2015, na unidade Consolação do Sesc, na capital paulista.

A reportagem é de Luciano Dantas, publicada por Greenpeace, 16-03-2015.

“2014 foi um ano perdido no enfrentamento da crise (hídrica)”. A frase de Marussia Whately, coordenadora da Aliança pela Água e do Instituto Socioambiental (ISA), abriu o encontro dando um claro parecer sobre a responsabilidade do Governo do Estado pela escassez de água nas torneiras paulistas.

O debate “Garantir água em situação de emergência”, mediado pela jornalista ambientalista e integrante do coletivo Cisternas Já, Claudia Visoni, contou com a presença de Carlos Tadeu, do IDEC, a pesquisadora Renata Moreira e Ricardo Guterman, do Coletivo de Luta Pela Água. “Não se supera um momento como esse sem o apoio da população. A falta de transparência só atrapalha. É preciso enxergar que a escassez de água é permanente”, afirmou Carlos Tadeu.

Já a mesa “Programas e ações para a recuperação imediata de áreas degradadas e Áreas de Preservação Permanente (APPs) nos mananciais”, mediada por Rebeca Lerer, coordenadora de comunicação da Aliança, contou com Eduardo Ditt, do Instituto de Pesquisas Ecológicas (IPÊ), Samuel Barreto, da The Nature Conservancy (TNC-Brasil), Luciana Travasso, bacharel em Planejamento Territorial pela UFABC e Maria Cecília Wey de Brito, da WWF Brasil.

“Planos hídricos brasileiros correspondem a obras e mais obras, e todos sabemos que água não nasce em tubo. É preciso entender de uma vez por todas que a Lei das Águas precisa ser revisada e alterada”, afirmou Samuel Barreto, em meio a uma discussão que deixou evidente a necessidade de rever e alterar as políticas de proteção de áreas verdes em torno, ou não, de mananciais. “No Brasil, armazenamos, consumimos e descartamos água sem pensar em seu reuso. É preciso pensar num plano que integre a água, a floresta e o solo”, completa Barreto.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Água: em busca do tempo perdido - Instituto Humanitas Unisinos - IHU