Ruralista diz que Carvalho 'aninha índios, negros, sem terra, gays, lésbicas' no gabinete

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Por: Cesar Sanson | 28 Fevereiro 2014

O coordenador da bancada ruralista no Congresso Nacional, Luiz Carlos Heinze (PP-RS), aparece em um novo vídeo publicado no site do youtube utilizando como argumento de ataque ao ministro Gilberto Carvalho (Secretaria Geral da Presidência) ele "aninhar negros" em seu gabinete.

Heinze disse à reportagem que se referia ao comando dos movimentos quilombolas e não aos negros em geral. O parlamentar já é alvo de pedido de investigação de quebra de decoro parlamentar por outro vídeo no qual diz que no governo da presidente Dilma Rousseff "estão aninhados quilombolas, índios, gays, lésbicas, tudo o que não presta".

A reportagem é de Eduardo Bresciani e publicado pela Agência Estado, 27-02-2014.

Postado nesta quarta-feira, dia 25 de fevereiro, o vídeo foi feito no Leilão da Resistência, em Campo Grande (MS), no dia 7 de dezembro de 2013. Em discurso de ataque ao governo Dilma, Heinze faz a crítica a Carvalho. "Tem no Palácio do Planalto um ministro da presidenta Dilma, chamado Gilberto Carvalho, que aninha no seu gabinete índios, negros, sem terra, gays, lésbicas. A família não existe no gabinete deste senhor", diz. "Este é o governo da presidente Dilma. Não esperem que essa gente vá resolver o nosso problema", conclui o deputado, no discurso para uma plateia de produtores rurais.

Heinze afirma que sua manifestação é de crítica ao governo federal pela forma como tem sido conduzida a política de demarcação de terras indígenas e quilombolas. "Não é o negro ou o índio brasileiro. É quem comanda este processo, o comando dos movimentos quilombolas e indígenas", disse. Disse que em relação aos sem terra não concorda com o financiamento público ao movimento. Afirmou ainda que no caso da citação a gays e lésbicas se "excedeu" em um "momento de discurso".

O vídeo anterior, feito em Vicente Dutra (RS), em novembro, mobilizou a Frente Parlamentar dos Direitos Humanos a apresentar um pedido de investigação contra Heinze na Corregedoria da Câmara e outro na Procuradoria-Geral da República. Naquela ocasião, disse ter se "excedido" e que não tinha "nada contra" gays.

Veja o vídeo clicando aqui.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ruralista diz que Carvalho 'aninha índios, negros, sem terra, gays, lésbicas' no gabinete - Instituto Humanitas Unisinos - IHU