Corte de R$ 1,68 bilhão no orçamento do MEC pode paralisar universidades, alerta Andifes

Mais Lidos

  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • A fé que ressurge do secularismo e do vírus. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

30 Novembro 2022

De acordo com o Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi) a justificativa para o corte de R$ 1,68 bilhão nas verbas do MEC é a responsabilidade fiscal. A Junta de Execução Orçamentária, colegiado que conduz a política fiscal do governo decidiu pelo “bloqueio de dotações de despesas discricionárias”, para cumprir o teto de gastos.

A reportagem é publicada por Extra Classe, 29-11-2022.

Dirigentes das instituições federais querem anulação do decreto que retira R$ 220 milhões do setor: “esperamos que seja revisto, sob pena de se instalar o caos nas contas das universidades”.

O novo corte de R$ 1,68 bilhão no orçamento do Ministério da Educação (MEC) feito por decreto do governo federal no início da tarde de segunda-feira, 28, determina a paralisação das universidades e institutos federais, alertou a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) em comunicado nesta terça-feira, 29.

“A diretoria da Andifes, que já buscava reverter os bloqueios anteriores para o restabelecimento do orçamento aprovado para 2022, sem os quais o funcionamento das universidades já estava comprometido, aduziu que este novo contingenciamento coloca em risco todo o sistema das universidades”, afirma o comunicado.

O critério de limitações de empenhos no mês de outubro, quase ao final do exercício, afetará despesas já comprometidas e representa gravíssimas consequências e desdobramentos jurídicos para as universidades federais.

“Essa limitação estabelecida pelo Decreto, que praticamente esgota as possibilidades de pagamentos a partir de agora, é insustentável. Pediu-se, por fim, que, dada a gravíssima situação, fosse considerada a hipótese de o MEC absorver essa restrição de gastos das universidades com outras rubricas da pasta, tal como ocorreu no bloqueio anterior”, ressaltou a Andifes.

A Associação lamentou a edição do decreto “que estabelece limitação de empenhos quase ao final do exercício financeiro, mais uma vez inviabilizando qualquer forma de planejamento institucional, quando se apregoa que a economia nacional estaria em plena recuperação. E lamentamos também que seja a área da educação, mais uma vez, a mais afetada pelos cortes ocorridos”.

De acordo com o Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi) a justificativa para o corte de R$ 1,68 bilhão nas verbas do MEC é a responsabilidade fiscal. A Junta de Execução Orçamentária, colegiado que conduz a política fiscal do governo decidiu pelo “bloqueio de dotações de despesas discricionárias”, para cumprir o teto de gastos.

Corte anunciado

Em outubro, o conselho pleno da entidade já denunciava que “o novo corte de gastos na área de educação inviabilizaria o funcionamento das universidades”.

A entidade, que representa os reitores das universidades federais, afirmou que o governo federal havia bloqueado R$ 763 milhões de recursos destinados às entidades.

“No âmbito do Ministério da Educação, o contingenciamento chega a R$ 2,399 bilhões (R$ 1,340 bilhão anunciado entre julho e agosto e R$ 1,059 bilhão no dia 30 de setembro)”, informou a Andifes à época.

Em resposta à entidade, o ministro da Educação, Victor Godoy, afirmou no início de outubro que não procedia a informação de que universidades e instituições de ensino federais teriam corte ou redução em seus orçamentos.

Segundo Godoy, o MEC apenas estabeleceu um “limite temporário para movimento e empenho” de recursos. Medida que, segundo o ministro, só valeria até novembro.

“O que aconteceu foi uma limitação da movimentação financeira. A gente distribuiu isso ao longo de outubro, novembro e dezembro. A gente chama isso de limitação de movimentação. Portanto não é corte nem redução do orçamento das universidades e institutos federais”, disse.

Comprometimento Andifes

No dia 4 de outubro, o governo já havia anunciado um corte de R$ 1 bilhão no orçamento do MEC.

Desta vez, o impacto para as universidades e institutos federais é de R$ 220 milhões, o que pode comprometer pagamentos de empregados terceirizados, contratos e serviços e bolsas.

Com os sucessivos cortes feitos pelo governo federal no orçamento do MEC, todo o sistema de universidades federais já vinha passando por imensas dificuldades para honrar os compromissos com as suas despesas mais básicas, alerta a Andifes.

“Esperamos que essa inusitada medida de retirada de recursos, neste momento do ano, seja o mais brevemente revista, sob pena de se instalar o caos nas contas das universidades. É um enorme prejuízo à nação que as Universidades, Institutos Federais e a Educação, essenciais para o futuro do nosso país, mais uma vez, sejam tratados como a última prioridade”, conclui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Corte de R$ 1,68 bilhão no orçamento do MEC pode paralisar universidades, alerta Andifes - Instituto Humanitas Unisinos - IHU