Degelo acelerado na Groenlândia é “risco dramático” para o planeta, alertam cientistas

Mais Lidos

  • “Com Francisco cumpre-se a profecia de Arrupe”. Entrevista com Pedro Miguel Lamet

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores. Sobre o envio da Newsletter

    LER MAIS
  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

18 Novembro 2023

Glaciares e calotas polares ao longo da costa da ilha recuaram desde 2000 a uma taxa duas vezes superior à registrada durante o século passado.

A informação é de ClimaInfo, 17-11-2023.

Um novo estudo, publicado na Nature Communications, mostra que as plataformas de gelo da Groenlândia perderam mais de um terço do seu volume nos últimos 50 anos. A área tem gelo suficiente para elevar o nível do mar em mais de dois metros.

Os pesquisadores analisaram milhares de imagens de satélite e modelos climáticos. Com isso, descobriram que desde 1978, devido ao aumento das temperaturas, as plataformas de gelo do norte da ilha perderam mais de 35% do seu volume total. Se o cenário continuar, as consequências para o planeta podem ser “dramáticas”, destaca O Globo.

Por causa da mudança climática, alimentada pela queima de combustíveis fósseis, as plataformas de gelo estão “extremamente vulneráveis” e podem estar até mesmo fadadas ao colapso, reforçam os pesquisadores.

O derretimento das plataformas de gelo em si não contribui para aumentar o nível do mar, pois já estão na água. Mas elas funcionam como represas que regulam a descarga de gelo no oceano. Se essas barreiras se desintegrarem, as geleiras podem acabar despejando mais gelo nos mares, detalha a Folha.

A gravidade da situação na Groenlândia não para por aí. Outra pesquisa, publicada na Nature Climate Change, mostra que mais de mil glaciares periféricos e calotas polares – massas de gelo menores que pontilham a costa da ilha, distintas da camada de gelo – entraram numa fase acelerada de recuo nos últimos 20 anos, desaparecendo duas vezes mais rápido do que no século 20, segundo a Bloomberg.

Além disso, utilizando uma linha de base do final do século passado, o estudo determinou que os glaciares no sul da Groenlândia diminuíram em comprimento em média 18%, enquanto os glaciares em outras partes da ilha recuaram até 10%.

CNN, Washington Post, Wired e CBS também noticiaram o novo cenário do degelo na Groenlândia.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Degelo acelerado na Groenlândia é “risco dramático” para o planeta, alertam cientistas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU