Calor sem precedentes vai “reescrever história do clima” no Brasil

Mais Lidos

  • As responsabilidades das Forças Armadas no golpe. Artigo de Jean Marc von der Weid

    LER MAIS
  • Terra Yanomami tem 363 mortes registradas no 1º ano do governo Lula

    LER MAIS
  • “Gostaria de mais casos de anulação de casamento. Ajuda a curar o sofrimento da separação”, afirma cardeal Zuppi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

14 Novembro 2023

Onda de calor brutal que começou no fim de semana vai continuar e gerar temperaturas máximas absurdamente altas em milhares de cidades, aponta o MetSul.

A reportagem é publicada por ClimaInfo, 13-11-2023. 

O “forno” que tomou conta da maior parte do país no fim de semana apenas começou a esquentar. Nos próximos dias, uma violenta onda de calor centrada entre o Sudeste e parte do Centro-Oeste vai provocar temperaturas máximas absurdamente altas em milhares de cidades brasileiras e dezenas de milhões de pessoas vão enfrentar um calor como jamais passaram em suas vidas.

A previsão é do MetSul, que afirma categoricamente que esta semana vai “reescrever a história do clima no Brasil” e “mudará a estatística climática nacional”. Segundo o instituto, “o que se desenha em termos de temperatura no Sudeste, em particular, é no mínimo extraordinário. Foge muitíssimo ao normal do clima, mesmo em cidades acostumadas a tempo quente durante os meses da primavera e do verão, com marcas excepcionalmente altas”.

Meteorologista da Nottus, Alexandre Nascimento afirmou à CNN que a nova onda de calor é resultado de um “empilhamento de fenômenos”, que vão do curto ao longo prazo. O especialista listou como o primeiro da lista [adivinha?] as mudanças climáticas, que elevam a “régua” das temperaturas no mundo. Junte um potente El Niño, que deve persistir até abril, e um sistema de alta pressão estacionado em parte do país e o forno “estoura” os termômetros.

A situação é tão extrema que o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) atualizou na 6ª feira (10/11) seu alerta vermelho de “perigo” para “grande perigo” para algumas regiões do país, informa O Globo. Em pelo menos seis estados, além do Distrito Federal, os termômetros podem registrar até 5ºC acima da média por um período maior do que cinco dias.

O calor extremo já foi sentido no sábado (11/11) em vários lugares do país. Na cidade do Rio de Janeiro, os termômetros chegaram perto de 40ºC, com sensação térmica de 47,2ºC – às 9h20 da manhã, é preciso destacar –, relata O Globo. No Centro-Oeste, as temperaturas ultrapassaram 40ºC em cidades de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Na capital de São Paulo os termômetros marcaram 34,8ºC, detalha o UOL. E em Porto Murtinho (MS), a mínima registrada na noite de sábado bateu nos 31,9ºC, provavelmente a maior temperatura mínima já registrada no Brasil.

Se o calor extremo é sufocante para todos, é ainda mais cruel para pessoas em situação de rua, mostra a Rede Brasil Atual. Os termômetros nas alturas se somam aos desafios diários de sobrevivência. Sem acesso a hidratação e abrigo, estão sujeitos às piores consequências das condições térmicas extremas, que podem levar, inclusive, à morte.

Em algumas cidades paulistas, incluindo a capital, foram criadas estruturas com água, ambulâncias e acolhida desde que começaram os eventos climáticos de calor extremo em setembro. No entanto, não há registros de ações similares em outros estados e mesmo em São Paulo a ação não é suficiente.

O calor extremo também vem impactando a criação de animais. No Complexo Agroindustrial de Brasiléia, no Acre, mais de 1.000 frangos morreram por conta do calor, informa o g1. “Nós estamos há 13, 14 anos criando frango, e a gente nunca teve um fenômeno como esse”, disse o produtor Rosildo Freitas.

Em tempo: No Rio Grande do Sul, a chuva é a ameaça. O alerta de chuvas esparsas em toda a região Sul, mas particularmente fortes e persistentes no estado, já havia sido feito pelo MetSul, destaca o Correio do Povo. Na tarde de sábado (11/11), fortes chuvas atingiram várias regiões gaúchas e acarretaram problemas em rodovias gaúchas, informa o Jornal do Comércio. E a previsão, reforça o Terra, é que as chuvas intensas persistam nesta semana, com o avanço de duas frentes frias pelo território gaúcho.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Calor sem precedentes vai “reescrever história do clima” no Brasil - Instituto Humanitas Unisinos - IHU