Brasil lidera percepção de riscos financeiros nas mudanças climáticas, diz análise

Mais Lidos

  • Católicos cínicos e a negatividade em relação ao Papa Francisco. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Influenciadores ou evangelizadores digitais católicos? Artigo de Dom Joaquim Mol

    LER MAIS
  • Campanha da Fraternidade 2024: Fraternidade e Amizade Social. Artigo de José Geraldo de Sousa Junior e Ana Paula Daltoé Inglêz Barbalho

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

05 Novembro 2021

 

O Brasil lidera, na América Latina, o percentual de empresas que veem possíveis riscos financeiros para os seus negócios devido às mudanças climáticas.

Os índices, na região, com base na análise de 800 empresas de 8 países latino-americanos (100 por país), são os seguintes: Brasil (46%), Peru (41%), Argentina (37%), Costa Rica (31%), Colômbia (30%), México (29%), Panamá (23%) e Equador (2%). Essas são algumas das conclusões da pesquisa “Avanços e desafios da gestão corporativa em aspectos de ESG na América Latina”, conduzida pela KPMG.

“As mudanças climáticas se tornaram um tema crítico para governos, empresas e sociedade em geral. Já é evidente o impacto que as mudanças climáticas têm sobre os diversos setores e sobre a nossa matriz energética, que impacta todos. Agora um número cada vez maior de empresas está reconhecendo os riscos financeiros que as mudanças climáticas representam para os seus negócios, o que mostra que há um entendimento crescente sobre a relevância do assunto. Transparência sobre essa análise ajuda a empresa a demonstrar a qualidade de sua liderança”, afirma Nelmara Arbex, sócia-líder de ESG da KPMG no Brasil.

A pesquisa também destaca que o Brasil (67% das respostas) é o terceiro país que mais se destaca na América Latina no quesito “divulgação de relatórios sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”, atrás de México (83%) e Colômbia (70%) e à frente de Peru (54%), Argentina (52%), Panamá (43%), Costa Rica (39%) e Equador (28%). A média da América Latina é de 55% e estes índices têm como base 436 empresas do G250 que reportam sobre sustentabilidade.

“Desde 1993, ano em que começamos a avaliar os relatórios de sustentabilidade divulgados publicamente pelas empresas, mudanças drásticas ocorreram sobre a relevância das práticas ambientais, sociais e de governança. Além disso, no cenário empresarial, os dados da pesquisa evidenciam que há uma demanda crescente por demonstrações de impactos positivos e transparência nas ações corporativas”, afirma Juanita López Peláez, sócia-diretora da KPMG IMPACT e líder de ESG da KPMG na América do Sul.

Em relação às taxas de relatórios de sustentabilidade N100 por setor na América Latina, tendo como base 579 empresas, os destaques são os seguintes: Mineração (94%), Indústrias, Manufatura e Metais (82%), Serviços Públicos (81%), Serviços Financeiros (80%), Tecnologia, Mídia e Telecomunicações (80%), Automotivo (72%), Bens de Uso Pessoal (69%), Construção e Materiais (67%), Petróleo e Gás (67%), Vendas (66%), Alimentos de Bebidas (65%), Transporte e Turismo (64%), Papel e Celulose (60%), Saúde (59%) e Produtos Químicos (50%).

O conteúdo está disponível na íntegra clicando aqui.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Brasil lidera percepção de riscos financeiros nas mudanças climáticas, diz análise - Instituto Humanitas Unisinos - IHU