Temperatura dos oceanos bate recorde em 2019, diz estudo

Mais Lidos

  • “O sínodo é como uma atualização do Vaticano II para o terceiro milênio”. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Vattimo, Cristianismo, a verdade. Artigo de Flavio Lazzarin

    LER MAIS
  • Os de cima vêm com tudo. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

15 Janeiro 2020

Calor absorvido pelos mares nos últimos 25 anos equivale ao gerado por 3,6 bilhões de bombas como a de Hiroshima. Aquecimento disparou nas últimas décadas, o que, segundo cientistas, é "prova do aquecimento global".

A reportagem é publicada por Deutsche Welle, 14-01-2020.

Em 2019, a temperatura média dos oceanos do mundo atingiu a marca mais alta já registrada, e o ritmo em que eles estão esquentando está se acelerando, aponta um novo estudo divulgado nesta terça-feira (14/01).

A temperatura média dos oceanos no ano passado ficou cerca de 0,075 grau Celsius acima da média verificada entre 1981 e 2010, de acordo com um estudo publicado na revista chinesa Advances in Atmospheric Sciences.

Os cientistas calcularam que, nos últimos 25 anos, os oceanos absorveram o equivale ao calor gerado por 3,6 bilhões de explosões como a da bomba de Hiroshima.

O texto, assinado por 14 cientistas de 11 institutos de vários países, indica que as temperaturas mais quentes foram registradas entre a superfície do mar e os dois mil metros de profundidade.

"Esse aquecimento medido dos oceanos é irrefutável e é mais uma prova do aquecimento global", diz Cheng Lijing, principal autor do artigo e professor associado do Instituto de Física Atmosférica da Academia Chinesa de Ciências.

"Não há alternativas razoáveis ​​além das emissões humanas de gases captadores de calor [do efeito estufa] para explicar esse aquecimento", completou.

Os pesquisadores também compararam dados de 1987 a 2019 com o período entre 1955 e 1986. Eles descobriram que, nas últimas seis décadas, o aquecimento mais recente foi cerca de 450% maior que o aquecimento anterior, sugerindo um grande aumento na taxa de alterações climáticas globais.

"É fundamental entender o quão rápido as coisas estão mudando", afirma John Abraham, coautor e professor de Engenharia Mecânica na Universidade de St. Thomas, nos Estados Unidos. "E isso é apenas a ponta do iceberg do que está por vir."

O aquecimento dos oceanos pode causar ondas de calor marinhas, o que, por sua vez, pode levar a grandes perda de vidas marinhas e à formação de furacões, segundo os pesquisadores.

De acordo com os cientistas, é possível trabalhar para reverter os efeitos da atividade humana no clima, mas os mares levarão mais tempo para responder do que ambientes atmosféricos e terrestres. Desde 1970, mais de 90% do calor produzido pelo aquecimento global foram absorvidos pelos oceanos, enquanto menos de 4% foram para a terra e a atmosfera.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Temperatura dos oceanos bate recorde em 2019, diz estudo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU