Programa Cisternas atingido por corte de verbas. Semiárido teme novo apagão de água

Mais Lidos

  • O Novo Ensino Médio e as novas desigualdades. Artigo de Roberto Rafael Dias da Silva

    LER MAIS
  • “Um Netanyahu em plena fuga para a frente vai responder ao Irã, e apenas os EUA podem evitar o pior”

    LER MAIS
  • Elon Musk e o “fardo do nerd branco”

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

29 Abril 2019

O Programa Cisternas, criado para combater a insegurança hídrica no semiárido nordestinovem sofrendo cortes de até 95% no seu orçamento. Segundo o UOL, se em 2012 foram destinados R$ 1,38 bilhão – maior valor alcançado –, em 2017 o programa chegou ao piso, com R$ 52,5 milhões. Em 2019 e 2018, o orçamento foi o mesmo: de R$ 75 milhões, bem longe de uma recuperação. Por isso, a Articulação do Semiárido (ASA) teme que a população enfrente um “apagão” de água. E contabiliza que, em abril, 343 mil famílias não têm qualquer fonte de abastecimento ou reserva de água. Ainda segundo a ASA, seriam necessários R$ 1,25 bi para zerar a fila de espera por cisternas que armazenem água para consumo humano. Para o consumo animal, necessário para a criação de gado para subsistência, por exemplo, seriam necessários investimentos de R$ 12 bi.

A informação é publicada por Outra Saúde, 29-04-2019.

Com a extinção do Conselho Nacional de Segurança Alimentar, tudo o que diz respeito ao programa está em suspenso. “O espaço dessa interlocução [com o governo federal] era esse conselho. A definição de como seria usado recurso de cisternas sempre passou por lá, agora não sabemos mais como será”, disse Alexandre Pires, da ASA, para o site.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Programa Cisternas atingido por corte de verbas. Semiárido teme novo apagão de água - Instituto Humanitas Unisinos - IHU