"A Justiça deve reconhecer apenas a verdade sobre o massacre de Curuguaty", afirma bispo paraguaio

Mais Lidos

  • Genocídio Yanomami em debate no IHU. Quanta vontade política existe para pôr fim à agonia do povo Yanomami? Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS
  • A campanha da Fraternidade 2024. Fraternidade e Amizade Social. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • A primeira pergunta de Deus ao homem foi “Onde você está?”. O Artigo é de Enzo Bianchi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

27 Junho 2016

O bispo de San Juan Bautista de las Misiones (Paraguai), Dom Mario Melanio Medina Salinas, acusou o vice-presidente Federico Franco de ser responsável pelo "massacre de Curuguaty".

A reportagem é da Agência Fides, 23-06-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O bispo afirmou que a tragédia, ocorrida no dia 15 de junho de 2012, na qual foram mortos 11 agricultores e seis policiais em um tiroteio, era uma "armação" para fazer com que Franco fosse eleito presidente.

No seu estilo direto e sem rodeios, Dom Medina disse em um encontro com os jornalistas na sede da Conferência Episcopal do Paraguai (CEP) de Assunção que "a Justiça tem uma grande responsabilidade perante a história no caso Curuguaty, porque, de um lado, há aqueles que fazem pressão e, de outro, há a verdade, e se deveria reconhecer a verdade".

No dia 15 de junho de 2012, 17 pessoas foram mortas, 11 agricultores e seis policiais, durante a tentativa de expulsar os camponeses que tinham tomado posse das terras de Marina Cué. Os agricultores defendiam que a terra era do Estado e devia ser atribuída a eles, enquanto a sociedade Campos Morumbi, do falecido senador Blas Riquelme, reivindicava a sua propriedade.

Depois do massacre, o Congresso acusou o presidente Fernando Lugo, deposto do seu cargo poucos dias depois, de promover as invasões das terras.

Depois de quatro anos que os autores do massacre não foram identificados, a Procuradoria, há poucos dias, reformulou as acusações contra os agricultores: associação ilícita, abuso de propriedade privada e homicídio culposo, enquanto, em 2012, eles só tinham sido acusados de tentativa de homicídio.

Dom Medina Salinas lembrou que, no lugar, havia 300 policiais e apenas 60 camponeses, incluindo mulheres e crianças, disse: "É justamente uma vergonha! Querem condená-los a qualquer custo! Foi um crime contra eles, e agora eles estão sob acusação. Peço que os juízes tenham ética e moral para fazer um processo justo!", concluiu.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"A Justiça deve reconhecer apenas a verdade sobre o massacre de Curuguaty", afirma bispo paraguaio - Instituto Humanitas Unisinos - IHU