Peru reconhece alfabeto de 31 idiomas indígenas

Mais Lidos

  • Atividade, no formato live, será na terça, 05-03, a partir das 10h

    Influenciadores digitais católicos em debate no IHU

    LER MAIS
  • A identidade de católico, o Papa e o cristianismo de libertação versus a direita. Artigo de Jung Mo Sung

    LER MAIS
  • Francisco: pedi para realizar estudos sobre a ideologia de gênero, o perigo mais feio hoje

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

14 Janeiro 2016

Ao longo de 2015, o Peru reconheceu oficialmente 31 das línguas indígenas existentes no país, onde espanhol é língua mãe de 83,9% dos habitantes. Instituições públicas deverão utilizar as grafias originárias, incluindo certidões bilingues de nascimento, casamento e óbito, se o cidadão exigir.
No caso peruano, o reconhecimento desses alfabetos é feito por resolução do Ministério da Educação, válida a partir de sua publicação em Diário Oficial. A grafia mais recentemente oficializada, em 7 de janeiro de 2016, foi do kapanawa, falado por 400 pessoas da selva norte do país. Seu alfabeto tem 20 letras.

A reportagem é de Daniella Cambaúva, publicada por Rede LatinAmérica e reproduzida por CartaCapital, 13-01-2016.

Um dos desafios são os sistemas operacionais usados pelos órgãos oficiais, que ainda não possuem algumas letras desses alfabetos, mas este fato não pode ser usado como justificativa para recusar sua utilização. No Peru, existe uma lei (Lei N° 29735), que regulamenta o “uso, preservação, desenvolvimento, recuperação, fomento e difusão de línguas originárias”, e que prevê a oficialização de suas regras de escrita.

A língua mais usada nos documentos bilingues é o awajún. Citado pelo jornal El País, o Reniec (Registro Nacional de Identificación y Estado Civil), responsável por emitir certidões, informa que há entrada de 1.005 nascimentos, 54 casamentos e 154 óbitos em awajún desde maio de 2015. Este é o quarto idioma originário mais usado, por 70 mil habitantes de quatro departamentos. Desde novembro, é feito também registro em aimará, falado em três departamentos do sul e do Altiplano, na fronteira com a Bolívia.

A estimativa é que o Peru tenha entre 43 e 60 dialetos originários. O número pode mudar dependendo da metodologia usada porque algumas consideram algumas variações como idioma diferente, enquanto outras, não. Segundo o governo, sete correm risco de desaparecer porque são faladas por idosos e não são ensinadas a pessoas mais jovens. O objetivo é conseguir tornar oficial o uso de todos até 2017.

O conjunto de todos os quechuas correspondem à primeira língua de 13,2% da população, e o aimará, a 1,8% (oficializados em 1985). Os países que concentram maior número de falantes de quechua são Peru, Bolívia, Equador e Colômbia. Aimará é falado principalmente na Bolívia, Argentino, Peru e Chile.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Peru reconhece alfabeto de 31 idiomas indígenas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU