Morre Samuel Ruiz, o bispo dos indígenas

Mais Lidos

  • “Com Francisco cumpre-se a profecia de Arrupe”. Entrevista com Pedro Miguel Lamet

    LER MAIS
  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • Wim Wenders, Dias Perfeitos – 2023. Artigo de Faustino Teixeira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

24 Janeiro 2011

Morreu, ontem, D. Samuel Ruiz García, bispo emérito de San Cristobal, Chiapas, no México, aos 86 anos de idade.

Samuel Ruiz foi bispo da região de Chiapas e negociou com o Movimento Zapatista, nos anos 1990.

A notícia da sua morte é da Agência Efe, 24-01-2011.

Ele foi um homem muito conhecido e respeitado no México e na América Latina. Trata-se de um bispo da extirpe de um Pedro Casaldáliga, por exemplo.

Ele se tornou um grande defensor dos direitos dos povos indígenas.

Ele foi bispo de San Cristóbal de las Casas, em Chiapas, de 1960 a 2000, quando se tornou bispo emérito.

Em 2008, participou de uma comissão negociadora com o Exército Popular Revolucionário - EPR -, que pedia ao governo mexicano a entrega de dois dos seus militantes desaparecidos.

O bispo atual de San Cristóbal, D. Felipe Arizmendi, disse, durante as celebrações dos 50 anos de ordenação de D. Samuel, em 2009, que a sua vida e vocação ficou marcada "por descobrir e ver de perto a marginalização de uma quantidade enorme de comunidades ante uma situação de dominação generalizada".

 

Ontem, numa nota, afirmou que D.Samuel Ruiz deixou o legado, com as seguintes caracteristicas:

1.- A promoção integral dos indígenas, para que sejam sujeitos na Igreja e na sociedade;

2.- A opção preferencial pelos pobres e libertação dos oprimidos, como sinal do Reino de Deus;

3.- A liberdade para denunciar as injustiças ante qualquer arbítrio;

4.-- A defesa dos direitos humanos;

5.- A inserção pastoral na realidade social e na história;

6.- A inculturação da Igreja, promovendo o que pede o Concílio Vaticano II, que haja igrejas autóctonas, encarnadas nas diferentes culturas indígenas e mestiças;

7.- A promoção da dignidade da mulher e da sua corresponsabilidade na Igreja e na sociedade;

8.- Uma Igreja aberta ao mundo e servidora do povo;

9.- O ecumenismo não somente com as outras confissões cristãs, mas com todas as religiões;

10.- Uma pastoral de conjunto, com responsabilidades compartilhadas;

11.- A Teologia Índia, como busca da presença de Deus nas culturas originárias;

12.- O Diaconato Permanente, com um processo específico entre os indígenas;

13.- A reconciliação nas comunidades;

14.- A unidade na diversidade;

15.- A comunhão afetiva e efetiva com o Sucessor de Pedro e com a Igeja Universal.

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Morre Samuel Ruiz, o bispo dos indígenas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU