Casa do Trabalhador acolhe os médicos cubanos em Curitiba

Mais Lidos

  • “A destruição das florestas não se deve apenas ao que comemos, mas também ao que vestimos”. Entrevista com Rubens Carvalho

    LER MAIS
  • Povos Indígenas em debate no IHU. Do extermínio à resistência!

    LER MAIS
  • “Quanto sangue palestino deve fluir para lavar a sua culpa pelo Holocausto?”, questiona Varoufakis

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Por: Darli | 15 Novembro 2013

No dia de ontem, quarta-feira, dia  13 de novembro, recebemos na  Casa do Trabalhador, no Bairro do Sítio Cercado, em Curitiba a visita de doze médicos. Entre eles,  seis  cubanos, dois venezuelanos,  um venezuelano-espanhol, e outros  três, brasileiros.

O motivo do encontro, uma confraternização de boas-vindas preparada pela Casa do Trabalhador e pelo Centro de Pesquisa e Apoio aos Trabalhadores - CEPAT os médicos cubanos que vão trabalhar na Unidade de Saúde, Salvador Allende, que é vizinha da Casa do Trabalhador.

A confraternização reuniu, além dos/as pesquisadores/as do Cepat, ativistas sociais, advogados, trabalhadores da área da saúde, conselhos locais de saúde e demais profissionais liberais, solidários aos médicos que  vão residir e trabalhar em Curitiba, região sul do Brasil.


O relato é de Darli Sampaio, coordenadora da Casa do Trabalhador.

No evento, festivo, usaram da palavra os responsáveis pelas unidades de saúde, onde os médicos trabalharão, ativistas sociais e a comunidade local.

Nas falas, saudações aos médicos e a expectativa de que os profissionais da saúde, possam agir no sentido de humanizar o atendimento à população, especialmente a mais carente.

Os próprios médicos que, também, falaram destacaram as suas expectativas com o programa: Mais médicos e com o trabalho a ser desenvolvido, junto a população dos locais de atendimento.

Foi reforçado nas palavras dos brasileiros, o compromisso de acompanhar e auxiliar os médicos, no que for possível, visto que eles estarão inseridos em uma realidade ainda desconhecida e desafiante. Houve uma proposta de construção de um Comitê de Solidariedade aos médicos cubanos.

Na sequência foi servido um prato cubano, preparado pelas médicas cubanas, chamado de "Congris", uma deliciosa mistura de arroz, feijão e torresmo, bem temperado, e o tradicional churrasco brasileiro, com caipirinha.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Casa do Trabalhador acolhe os médicos cubanos em Curitiba - Instituto Humanitas Unisinos - IHU