Uma monja budista se imola pela volta de Dalai Lama e liberdade do Tibete

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

13 Abril 2015

Uma monja budista de 47 anos se ateou fogo para protestar contra a dominação chinesa do Tibete e para solicitar o retorno do Dalai Lama. A religiosa realizou um giro ritual do mosteiro Chokri Ngagong (condado de Draggo, na zona de Kardze), solicitando o retorno do Dalai Lama, orando por sua vida e pela liberdade do Tibete. Depois se auto-imolou e teria morrido no lugar. A tragédia ocorreu, segundo fontes de Radio Free Asia, no passado dia oito de abril. É a 138ª pessoa a escolher esta forma suprema de protesto desde 2009.

A informação é de Asia News, 11-04-2015. A tradução é de Benno Dischinger.

Segundo a fonte, a monja seria Yeshi Khado: “Pouco depois de ter realizado o seu sacrifício, caiu por terra. Naquele momento chegou a polícia que levou embora o seu corpo. Os parentes solicitaram às autoridades que o restituíssem, mas lhes foi negado. Quem estava presente na ocasião do sacrifício está quase certo que tenha morrido no lugar”.

Um monge budista da mesma zona, que agora vive na Austrália, conta: “Na noite anterior ao seu gesto visitou a estrutura e convidou os presentes a serem felizes e se divertirem. Mas também lhes solicitou de fazerem algo pela causa do Tibete. Ninguém suspeitava nada: era uma mulher muito simples, humilde e amigável com os outros”.

Desde os sangrentos protestos de Lhasa de 2009, as autoridades chinesas aumentaram o controle sobre as zonas tibetanas para prevenir as auto-imolações e prendendo os tibetanos que promovessem este tipo de protestos. Aqueles que se imolam solicitam o livre retorno do Dalai Lama ao Tibete e liberdade para a região.

O Dalai Lama, o chefe espiritual do budismo tibetano, é acusado pela China como um separatista e como “um lobo travestido de cordeiro”. Ele frequentemente solicitou aos jovens que preservassem sua vida, utilizando-a para um protesto mais construtivo e menos desesperado.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Uma monja budista se imola pela volta de Dalai Lama e liberdade do Tibete - Instituto Humanitas Unisinos - IHU