Luz mal planejada destrói céu noturno

Mais Lidos

  • Como o Papa Francisco está tentando “feminilizar” a Igreja

    LER MAIS
  • “Os maus-tratos aos animais é uma expressão do mal e da nossa incapacidade de aceitar os outros”. Entrevista com Corine Pelluchon

    LER MAIS
  • Israel-Palestina. Um soldado se sacrifica e um primeiro-ministro renuncia: o genocídio em Gaza provoca ações desesperadas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

19 Fevereiro 2011

O brasiliense Marcelo Domingues, 39, sabe bem qual é a dor de perder o céu.

Astrônomo amador, ele se mudou há dez anos para um condomínio em Sobradinho, cidade-satélite da capital, onde passava as noites observando as estrelas. Até que a companhia elétrica local mexeu na iluminação pública. "Destruiu tudo", resume.

A reportagem é de Cláudio Angelo e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 20-02-2011.

A luz dos postes passou a ofuscar os astros e Domingues ficou sem seu local privilegiado de observação.
O outrora famoso céu noturno de Brasília é uma vítima do crescimento urbano das duas últimas décadas. Ele veio acompanhado da expansão da iluminação pública: 3,4 milhões de postes novos só entre 2000 e 2008.

O problema é que essa iluminação é ineficiente. Os postes jogam a luz em todas as direções, inclusive para cima. Isso privou as cidades da visão das estrelas.

Em Brasília, por exemplo, era possível observar a olho nu a Via Láctea e quase 2.000 estrelas por ano no começo da década de 1990. Hoje, o número caiu para 150.

As primeiras vítimas dessa poluição luminosa, claro, são os astrônomos.

A Universidade de Brasília tem um observatório didático na cidade que ficou parcialmente inutilizado. "Em dez anos qualquer observação ficará inviável", diz o físico José Leonardo Ferreira.

A USP passou por esse problema já nos anos 1990, quando foi obrigada a mover seu observatório de Valinhos, região de Campinas, para Brazópolis (MG).

A cidade abriga o maior telescópio do país, do Pico dos Dias, no LNA (Laboratório Nacional de Astrofísica).
O pico, porém, também foi alcançado pelas luzes. Segundo um cálculo do engenheiro do LNA Saulo Gargaglioni, a poluição luminosa das cidades vizinhas faz com que o espelho de 1,6 m de diâmetro do telescópio tenha a potência real de 1,3 m.

DESPERDÍCIO

Mas não são apenas astrônomos e casais apaixonados que perdem com a poluição luminosa. Ela também causa danos reais ao bolso do consumidor de energia.

"As luminárias comuns desperdiçam de 30% a 35% da luz", diz o astrônomo amador mineiro Tasso Napoleão. "Com um anteparo nas luminárias, poderiam usar lâmpadas de menor potência e economizar dinheiro".

Foi o que se fez na República Tcheca, primeiro país do mundo a aprovar uma lei contra a poluição luminosa, e na região italiana da Lombardia. Em ambos os lugares, a substituição da iluminação pública devolveu várias estrelas à população.

No Brasil, segundo Marcel da Costa Siqueira, gerente de Eficiência Energética em Iluminação Pública da Eletrobras, existe uma norma técnica que aborda o assunto, mas "sem caráter restritivo".

Saulo Gargaglioni, do LNA, propôs na sua dissertação de mestrado, na Universidade Federal de Itajubá, um rascunho de lei nacional sobre o tema. "Não deu em nada", conforma-se.

Sem poder salvar o céu do país, o LNA tenta um acordo para mudar a iluminação urbana dos vizinhos. Nos bairros novos, tem dado certo.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Luz mal planejada destrói céu noturno - Instituto Humanitas Unisinos - IHU