O PT estaria aberto a uma aliança das forças progressistas?

Mais Lidos

  • O celibato de Jesus: “O que o Papa disse me deixou com um enorme desacordo”. Artigo de Eduardo de la Serna

    LER MAIS
  • Os ataques aéreos permitidos contra alvos não militares e o uso de um sistema de inteligência artificial permitido ao exército israelense levam a cabo sua guerra mais mortífera em Gaza, revela uma investigação de +972 e Local Call

    Uma fábrica de assassinatos em massa

    LER MAIS
  • A nova extrema-direita e sua atração pela Bíblia e pelas religiões

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

15 Março 2018

"O governador petista da Bahia abre a possibilidade de pensar numa aliança do PT sem querer impor a priori seu candidato. Novidade num partido que sempre pareceu estar centrado apenas nele mesmo? Será possível este gesto democrático de pluralidade em vista de um bem maior, frente a perigos que rondam e candidatos a afastar? Como vão reagir os dirigentes do PT?", pergunta  Luiz Alberto Gomez de Souza, sociólogo, ao enviar o texto que publicamos a seguir.

Eis o comentário.

Rui Costa tem 55 anos e é um dos cinco governadores do PT espalhados pelo Brasil na atualidade. Braço direito de Jaques Wagner no governo baiano entre 2007 e 2014, alçou o cargo máximo no Estado há quase quatro anos e agora se prepara para tentar a reeleição.

Na segunda-feira (12) ele recebeu a reportagem do UOL em Salvador e, ao longo da entrevista, contrariou a cúpula petista em dois fatos relevantes: o discurso sobre o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff e a possibilidade de um plano B caso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não possa se candidatar em outubro.

Sobre o primeiro tema, ele sugere que seu partido "vire a página" do impeachment e que pare de brigar com "aquele momento histórico". Sem usar o termo golpe, ao contrário de muitos de seus correligionários, Costa disse que milhões de pessoas foram à rua pedir a saída de Dilma e que não se pode rejeitar os votos daqueles manifestantes. "Nós queremos os votos dessas pessoas para reconstruir o Brasil? Queremos", respondeu a si mesmo.

O governador avaliou ainda que uma eventual prisão de Lula pode render votos ao partido. E que o PT deve considerar apoiar candidatura de outra sigla para a disputa do Planalto caso o ex-presidente fique fora do pleito de outubro.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O PT estaria aberto a uma aliança das forças progressistas? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU