Paradoxo peruano

Mais Lidos

  • “Com Francisco cumpre-se a profecia de Arrupe”. Entrevista com Pedro Miguel Lamet

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores. Sobre o envio da Newsletter

    LER MAIS
  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

09 Abril 2011

O Peru foi o país sul-americano que mais cresceu em 2010, a uma taxa chinesa de 8,8%. O país tem investimentos beirando 25% do PIB, bem acima do índice brasileiro, e ótimos resultados fiscais.

A reportagem é de Patrícia Campos Mello e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 10-04-2011.

Mas, apesar dessa bonança econômica, a popularidade do presidente Alan García está em apenas 26%, pior do que o odiado ex-presidente dos EUA George W. Bush em fim de mandato. Não só isso, mas nenhum dos candidatos que lideram as pesquisas para a eleição presidencial que se realiza hoje, no Peru, é do partido de García.

No Brasil, o ex-presidente Lula deixou o governo com popularidade acima dos 80% e elegeu facilmente sua sucessora, Dilma Rousseff.

Afinal, por que o milagre econômico peruano não se traduz em popularidade para seus governantes? Em primeiro lugar, porque a história de sucesso do Peru, por enquanto, se limita a Lima e às zonas costeiras e exportadoras.

Na selva, como chamam a região amazônica, e na serra, o apelido para o altiplano, a pobreza ainda grassa.

A disparidade de renda entre as regiões é muito grande e a pobreza na zona rural cai muito mais lentamente do que nas cidades. A renda per capita, de US$ 5.196, mais do que quadruplicou em 30 anos, mas ainda é baixa se comparada com a do Uruguai (US$ 12.130), do Chile (US$ 11.587), do Brasil (US$ 10.470) e do México (US$ 9.243).

Segundo o economista Ricardo Hausmann, diretor do Centro de Desenvolvimento Internacional da Universidade Harvard, o modelo de crescimento peruano -de exportações de recursos naturais - é intensivo em capital e distribui pouco a renda. Mas tal modelo começou a mudar nos últimos quatro anos.

Tem havido uma diversificação na economia do país, com crescimento em construção, varejo e serviços em geral.

Com isso, a distribuição de renda deve começar a reduzir as desigualdades regionais. Além da questão econômica, há uma desconfiança histórica dos peruanos em relação a seus políticos. Governantes no Peru normalmente têm baixa popularidade.

Alejandro Toledo, um dos responsáveis pelo sucesso econômico do país, chegou a ter apenas 8% de aprovação.

Na história recente, só o ex-presidente Alberto Fujimori teve alta popularidade durante o período em que combateu a hiperinflação e controlou o Sendero Luminoso, para despencar depois.

García, por sua vez, presidiu em uma época de crescimento extraordinário, mas seu governo foi alvo de diversos escândalos de corrupção.

Quiçá com a melhora da distribuição de renda, os eleitores peruanos abandonem parte de sua desconfiança e acabe a maldição sobre os governantes peruanos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Paradoxo peruano - Instituto Humanitas Unisinos - IHU