Ataques no Afeganistão frustram apelos pela paz

Mais Lidos

  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • Genocídio Yanomami em debate no IHU. Quanta vontade política existe para pôr fim à agonia do povo Yanomami? Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

14 Mai 2020

Um dia após islamitas e luteranos pedirem, em nota conjunta, para forças beligerantes deporem as armas e acordar um cessar-fogo imediato em diferentes partes do mundo, um grupo de homens armados atacou, na terça-feira, 12, um hospital em Cabul, capital do Afeganistão, matando 13 pessoas, inclusive dois bebês, mães e enfermeiras. O hospital, com 100 leitos, é administrado pelo Estado, mas conta com uma maternidade aos cuidados da organização humanitária Médicos Sem Fronteiras. Nenhum grupo assumiu a autoria da agressão. 

A reportagem é de Edelberto Behs, jornalista.

“Esses ataques representam um grande revés para os esforços de paz num momento em que havia sinais crescentes e antecipação do fim de conflitos violentos na região. A situação atual de uma pandemia global, na qual somos cada vez mais lembrados da fragilidade e santidade da vida humana a cada momento, além do apelo global por um cessar-fogo, torna esses ataques ainda mais assustadores”, disse o secretário-geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), reverendo Dr. Ioan Sauca

Também na terça-feira, homem-bomba provocou explosão durante o funeral de comandante da polícia, que reuniu autoridades do governo e um parlamentar na província de Nangahar, informa o portal G1. Balanço inicial registra a morte de 24 pessoas e 68 feridas. 

O principal grupo insurgente no Afeganistão, o Talibã, negou qualquer envolvimento nos atentados. Ele assegurou que interrompeu a onda de ataques em cidades contempladas pelo acordo de retirada na região de tropas dos Estados Unidos. Quem opera em Nangahar é a facção militante Estado Islâmico, que não se manifestou a respeito dos ataques.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ataques no Afeganistão frustram apelos pela paz - Instituto Humanitas Unisinos - IHU