São Gabriel da Cachoeira. Entrevista D. Edson Damian

Mais Lidos

  • Atividade, no formato live, será na terça, 05-03, a partir das 10h

    Influenciadores digitais católicos em debate no IHU

    LER MAIS
  • A identidade de católico, o Papa e o cristianismo de libertação versus a direita. Artigo de Jung Mo Sung

    LER MAIS
  • Francisco: pedi para realizar estudos sobre a ideologia de gênero, o perigo mais feio hoje

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

03 Junho 2009

No domingo, 24 de maio, Edson Damian foi ordenado Bispo da Diocese de São Gabriel da Cachoeira, na Amazônia, tanto com os símbolos romanos tradicionais quanto com os importantes símbolos da cultura indígena. A diocese de São Gabriel da Cachoeira é conhecida como a diocese a mais indígena do Brasil, pois 95% da população que vive na região fazem parte de etnias dos povos originários do Brasil.
 “Quem está aqui precisa ter uma saúde de ferro, muita resistência e também muita sensibilidade para traduzir um Evangelho no meio de 22 etnias diferentes”, descreveu ele.

São Gabriel da Cachoeira é a segunda diocese do Brasil em extensão: tem 286.966 quilômetros quadrados. Ela só perde para a prelazia do Xingu. Além disso, é a diocese mais indígena do país. Aproximadamente, 95% da população são constituídas de indígenas, que pertencem a quatro grupos linguísticos divididos em 22 etnias. Além disso, é a diocese mais isolada do Brasil. Faz parte da região conhecida como Cabeça do Cachorro, na divisa com a Venezuela e Colômbia. Ela não tem rodovias; todas as comunidades e aldeia são visitadas através de barcos. Além disso, é missionária, porque aqui existem 15 padres: seis missionários salesianos, quatro missionários do Sagrado Coração de Jesus, dois saverianos e três diocesanos. A presença maior é das irmãs filhas de Maria Auxiliadora, que são 46. Elas estão espalhadas nas principais aldeias indígenas. Então, é uma diocese que apresenta grandes desafios que exigirão o trabalho heroico de quem vem para cá. Conhecendo essa realidade, exitei em aceitar o convite. Tanto é que queriam que eu respondesse imediatamente. No entanto, pedi algum tempo para refletir um pouco mais, para saber se poderia aceitar esse desafio imenso na última etapa da minha vida, porque já estou com 61 anos. Quem está aqui precisa ter uma saúde de ferro, muita resistência e também muita sensibilidade para traduzir um Evangelho no meio de 22 etnias diferentes. Aqui, também existe uma presença grande do exército brasileiro, com aproximadamente 2500 homens, à medida que é uma área de fronteira e há presença do narcotráfico também. 

Quem chega aqui em São Gabriel da Cachoeira se dá conta de que é uma das regiões mais bonitas do Brasil. É a parte da Amazônia mais preservada. Os índios são os grandes defensores da mãe-terra e souberam preservar o meio ambiente como ninguém. Aqui, também há muitas corredeiras, cachoeiras e não estradas. Há poucos invasores brancos. Além disso, todas as áreas indígenas foram homologadas, então não existem conflitos em relação ao uso da terra. Os índios usufruem das terras que são da União.

(cfr. notícia do dia 03-06-09, desta página).

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

São Gabriel da Cachoeira. Entrevista D. Edson Damian - Instituto Humanitas Unisinos - IHU