Por que o exército norueguês não comerá carne, nas segundas-feiras?

Mais Lidos

  • Influenciadores ou evangelizadores digitais católicos? Artigo de Dom Joaquim Mol

    LER MAIS
  • Os equilíbrios de Lula no Brasil pós-Bolsonaro. Artigo de Bernardo Gutiérrez

    LER MAIS
  • Para onde estamos indo? Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Por: Jonas | 22 Novembro 2013

O dia de dieta vegetariana já foi incorporado pelas principais bases militares norueguesas. As autoridades militares na Noruega anunciaram um plano para impor uma dieta vegetariana para suas tropas, uma vez por semana, para combater um novo inimigo: a mudança climática.

 
Fonte: http://goo.gl/a75Jvw  

A reportagem é publicada pela BBC Mundo, 20-11-2013. A tradução é do Cepat.

Segundo o exército, as refeições das segundas-feiras não incluirão carne para reduzir o consumo de alimentos prejudiciais ao meio ambiente e cuja produção contribui de maneira desproporcional para o aquecimento global.

A dieta já foi incorporada em uma das principais bases militares norueguesas e logo será regra para todas as unidades, incluindo aquelas ultramar.

O exército estima que reduzirá o consumo de carne em 150 toneladas por ano. “É um passo para a proteção de nosso clima. A ideia é servir comida que seja respeitosa ao nosso meio ambiente”, disse o porta-voz Eystein Kvarving à agência AFP.

Um dia de abstinência

Kvarving afirmou que o programa não tem nada a ver com poupar dinheiro, mas que é resultado de uma preocupação com o meio ambiente, que contribui com a ecologia e que, ao mesmo tempo, é mais saudável.

Um relatório publicado em 2006, pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), concluiu que a indústria da pecuária emite mais gases de efeito estufa do que o setor de transporte. Também acrescenta que é uma das principais causas da degradação de águas e terra. Naquele ano, o autor do relatório alertou que a pecuária constituía uma das maiores ameaças ambientais e pediu que fossem tomadas medidas urgentes para remediar a situação.

Segundo uma organização de proteção do meio ambiente, na Noruega, “The Future is in Our Hands” (O Futuro está em Nossas Mãos), um norueguês médio consome mais de 1.200 animais em sua vida, incluindo 1.147 frangos, 22 cordeiros, 6 vacas e 2,6 cervos.

A organização faz uma campanha para que a abstinência de carne, nas segundas-feiras, torne-se uma regra nacional, com o propósito de “reduzir o consumo dos recursos naturais pelos setores mais abastados da sociedade, em favor da proteção ambiental e dos pobres do mundo”, como declara em sua página na internet.

“O Ministério da Defesa merece muitos elogios por abordar assuntos climáticos e ambientais com seriedade”, expressou Arild Hermstad, diretor dessa organização. O movimento da “Segunda-feira sem carne” se iniciou em 2003, nos Estados Unidos, como um programa de conscientização patrocinado pela Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg.

Vários lugares por todo o mundo adotaram suas próprias versões de dias de abstinência de carne, incluindo Israel, Croácia, Austrália e as cidades de Gante, na Bélgica, e São Paulo, no Brasil.

Em 2009, o ex-Beatle Paul McCartney – um rígido promotor do vegetarianismo – lançou, com duas de suas filhas, uma campanha no Reino Unido pela “Segunda-feira sem carne”.

Veja também:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Por que o exército norueguês não comerá carne, nas segundas-feiras? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU