Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

O México e os zapatistas de ontem e de hoje. Entrevista com Alejandro Buenrostro

Conhecidas mundialmente, as comunidades autônomas lideradas pelo Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN), em Chiapas, se tornam cotidianamente exemplo de "outro mundo possível". O Correio da Cidadania, 21-07-2011, publica material produzido por seus colaboradores Guga Dorea e Antonio Julio de Menezes, que após visitas e contatos com os zapatistas realizaram uma entrevista com sociólogo Alejandro Buenrostro.

Nascido no México, Buenrostro viveu 15 anos em Chiapas e hoje mora no Brasil. Em 1998, fundou o projeto Xojobil, com o intuito de ser uma ponte de informação e conscientização sobre o processo, os fatos, as causas e os impactos do ambiente indígena e camponês no México, no Brasil e na América Latina.

Eis a entrevista.

Só para começarmos, fale um pouco sobre a sua experiência com os indígenas mexicanos?

Sempre tive uma experiência muito humana e amiga com meus pais e professores. Por conta dessa influência, cresci com uma imensa vontade de ser missionário e ter contato com professores que haviam tido experiências com os indígenas. A minha idéia inicial foi ir a Serra Tarahumara para conhecer a realidade dos índios em condições precárias de vida. No entanto, quando fiquei sabendo, em 1957, que poderia trabalhar com os indígenas do estado de Chiapas, sul do México, optei por mudar de trilha e, no ano de 1961, decidi mesmo conhecer Chiapas. Nesse período, já conhecia algumas populações marginas, que viviam nas proximidades da Cidade do México, além de já participar de grupos de catequismo em zonas indígenas.

Quando cheguei em Bacharon, queria aprender a língua indígena. Participei da ação pastoral dos jesuítas e descobri que estavam totalmente distantes do meu pensamento. Eles propunham integração dos indígenas no que era conhecido como nação mexicana, que o objetivo maior deles deveria ser o de aprender o espanhol. Foi então que, através desse contato direto com a língua e a cultura indígena, presenciei de perto o que é o racismo e o desprezo contra essa população por parte dos mestiços, além de vivenciar as condições humanas precárias que viviam naquele período e que vivem até hoje. Saí de Chiapas em 1980 para depois, até 1998, realizar alguns trabalhos em outros estados do país. Nesse período, de 1994 a 1998, atuei no Instituto Michoacan de Educação, sempre inserido na problemática das comunidades indígenas e camponesas.

Desde 1994, quando os zapatistas declararam guerra ao governo mexicano, a minha esposa se dedicou a registrar informações sobre esse movimento, com o objetivo de esclarecer o contexto político e social da época. O livro "Chiapas: construindo a esperança" tem artigos selecionados por ela. Quando chegamos ao Brasil, surgiu a necessidade de informar o que são e o que querem os zapatistas. Chegamos em 1998 e o que encontrei sobre os zapatistas foram interpretações acadêmicas, sobretudo marxistas. Foi aí que criei, junto com o André, o projeto Xojobil.

Vamos falar agora sobre a História do México. A Revolução Mexicana completou cem anos no ano passado. Qual é seu legado nos dias de hoje?

A insurreição massiva dos indígenas e camponeses na Revolução Mexicana provocou a ruptura do passado colonial e porfirista (Porfírio Díaz). A entrada do capitalismo, apoiada pela revolução burguesa, no entanto, impediu a trajetória espontânea do movimento popular. Enquanto isso, os indígenas e camponeses resistiram e reforçaram a sua própria cultura. De um lado, é possível dizer que eles chegaram a ser absorvidos pela modernização, oferecida pelo capitalismo emergente no México daquela época. Mas de outro, não presenciamos a aniquilação do que aparentemente ficou para trás. A junção passado-presente abriu brechas para os indígenas inventarem outra forma de ser e de pensar o mundo, que desencadeou nos dias de hoje no movimento zapatista.

Zapata e Villa lutaram pela terra e pelo respeito à organização indígena e camponesa, enfim, pela dignidade. A luta zapatista atual reconhece a organização indígena e seus valores culturais, além da capacidade dessa cultura para enfrentar os desafios da modernidade. Pensando nessa força popular, outro legado deixado pela revolução foi a reforma agrária, uma distribuição social que favoreceu os setores populares como um todo. Também tivemos o surgimento da educação e do serviço de saúde gratuitos, além da confirmação da separação da Igreja do Estado.

Histórica e culturalmente, a esquerda ortodoxa sempre se guiou pela necessidade de conquistar o poder e só a partir daí almejar a ruptura com o capitalismo. Zapata e Villa desejavam o poder e fracassaram?

Eu acredito que não pretendiam o poder. Eles estavam querendo que as comunidades tivessem a possibilidade de realizar seu modo de vida com justiça, liberdade e solidariedade, com a participação coletiva de todos. Na realidade, os revolucionários burgueses estavam entusiasmados com o capitalismo e pensavam que os indígenas e camponeses se tornariam um obstáculo. Por conta disso, não valorizavam a sua cultura, decidindo reprimi-los. Em todo esse contexto, o legado da Revolução Mexicana hoje é a força dessa cultura que, depois de cem anos, continua viva nos corações dos indígenas e camponeses.

O que significa não desejar o poder?

Para a cultura indígena, o poder está na comunidade, no consenso da assembléia comunitária. A realidade cultural dos zapatistas e dos indígenas mexicanos é totalmente distinta da cultura ocidental, que tem como prática de poder o domínio e não a prestação de serviço. A experiência indígena, desde o descobrimento da América, foi experimentar a dominação, a exploração, a injustiça, o engano e a falta de respeito à dignidade humana. Por isso, sua posição é não aceitar os poderes político e econômico do Estado burguês. Sua preocupação é lutar pela autonomia e dignidade, pelo bem de todos. Na visão ocidental, isso só é possível com a conquista do poder. Para a tradição indígena, não é esse poder que vale, é ter a possibilidade de crescer e viver, em paz, com a participação coletiva de todos.

Dessa forma, os zapatistas não querem ser vanguarda. Por quê?

Os zapatistas se consideram e querem ser considerados como uma das inúmeras forças existentes no país. Não querem impor sua própria maneira de lutar e sim conhecer profundamente os modos de pensar e de agir de todos os movimentos sociais e políticos existentes no México e também em outros países. São iniciativas que preparam o terreno para que todas as forças tenham a oportunidade de escutar e ser escutadas, sempre tendo em mente transformações realmente democráticas. Enfim, eles querem aprender coletivamente o caminho a seguir. No momento atual, é reconhecer nos zapatistas a preocupação de escutar a todos que resistem e lutam pelo respeito à natureza e por um mundo mais humano e livre. O lema dos zapatistas é justiça, democracia e dignidade.

O que era autonomia para os zapatistas na época da revolução?


Enquanto para os revolucionários burgueses e a sociedade mexicana, em geral, o progresso era entrar e se adequar ao movimento de modernização existente na Europa e nos Estados Unidos, os indígenas e, concretamente, os zapatistas buscavam promover os recursos humanos, naturais e culturais do México. Eles tinham a visão de um México profundo, capaz de realizar o crescimento autônomo de seus valores culturais.

Como funcionam os municípios autônomos hoje?

A tarefa dos governos autônomos é analisar problemas e encontrar caminhos a partir do diálogo e da cultura da paz. Não há democracia sem a participação de todos, sem responsabilidade política pelo bem comum. Os municípios autônomos propõem uma nova relação com o Estado, com as instituições e todos os setores da sociedade. Autonomia é poder tomar as próprias decisões, sempre com diálogo e respeito. Os municípios autônomos já são, por si só, a mudança. Exercem, na prática, a possibilidade de transformação e de resistência. Para os indígenas e os zapatistas, não existe propriamente uma hierarquia. Eles reconhecem as pessoas que prestaram serviços para a comunidade e todos sabem a importância do consenso comunitário. Nos municípios autônomos, as pessoas que têm autoridade foram eleitas democraticamente, sabendo que todos podem chegar a ser autoridade para executar o que foi decidido nas assembléias.

O que são os Caracóis?

Os zapatistas têm uma visão de mundo que tem permitido a eles tecer alianças continentais e contar com uma base social que tem se expandido para além dos limites dos municípios autônomos. Em cada caracol (rede social) existe um determinado número de municípios autônomos, que se conectam entre si, sempre com a preocupação do crescimento de todos. A partir de experiências e iniciativas locais, o que prevalece é sempre a colaboração e o respeito mútuo.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"O cristianismo é primeiramente uma percepção individual. Após uma verdadeira concepção individ..." Em resposta a: Ocidente secularizado? Culpa de Lutero
"Um belíssimo texto, que se confunde com poesia e que capta muito bem alguns dos anseios humanos por..." Em resposta a: Este é o tempo de redescobrir a confissão. Artigo de Vito Mancuso
"Esse artigo, além de muito bem escrito, está fazendo o maior sucesso na rede. Já foi publicado em..." Em resposta a: A arquitetura mental insustentável por trás do assassinato da onça-pintada Juma

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium